Blog Calça Thai - Estilo, moda, novidades e notícias do universo Thai

Calça Thai

Zero Baht Shop: conheça uma iniciativa social inspiradora!

Como sempre mostramos para vocês, aqui na Calça Thai prezamos pelo comércio justo, pela justiça nas nossas relações e pela consciência socioambiental. Já contamos sobre lojas online que admiramos, já fizemos parceria com um projeto incrível que fomenta o plantio de árvores no mundo, já até recebemos o selo Site Sustentável, que garante que compensemos toda emissão de gás carbônico do nosso site por meio do plantio de árvores na Mata Atlântica. Diante de tudo isso, sempre ficamos antenados no que tem rolado no mundo em termos de inovação social e responsabilidade ambiental. Durante nossas buscas, encontramos e visitamos um projeto muito bacana localizando em uma região periférica de Bangkok - é a Zero Baht Shop.

Zero Baht Shop

A capital e maior cidade da Tailândia possui mais de 6 milhões de habitantes, quase 10% do total de pessoas que vivem no país asiático. Toda essa gente consumindo produtos e alimentos todos os dias promovem uma quantidade enorme de lixo. Hoje em dia, o lixo é um dos maiores problems que o país enfrenta: muito consumo e pouco descarte realizado corretamente, principalmente do plástico, um dos materiais mais ofensivos ao meio ambiente, já que sua decomposição é extremamente demorada. 

Além disso, com o rápido crescimento econômico do país, o custo de vida tailandês está aumentando a cada ano. Para sobreviver a essa situação, as pessoas usam diferentes estratégias para transformar seu estilo de vida de modo que consigam economizar dinheiro, se adaptar à economia de suficiência, filosofia desenvolvida pelo Rei, e incrementar sua renda. Entretanto, para as classes mais baixas, é difícil lidar com toda a mudança socioeconômica pela qual o país passa. Os que mais sofrem são aqueles nas áreas urbanas mais pobres, como favelas e periferias. Geralmente essas pessoas conseguem suas rendas por atividades rentáveis diárias, ou seja, vender comida nas ruas ou coletando lixo.

Zero Baht Shop

Diante nesse cenário, uma comunidade de Bangkok, localizada no bairro de On-Nut, nos chamou a atenção pelas suas práticas que fazem a diferença na sua situação econômica mais inferior. Essa comunidade se constitui por 20 grupos que se mudaram de diferentes pontes no ano de 2001 por conta de políticas governamentais determinadas por autoridades tailandesas. Tais autoridades prepararam áreas com facilidades básicas, como eletricidade, suprimento de água, ruas pavimentadas e esgoto tratado. Já a parte da construção das casas era papel dos próprios membros da comunidade, que trouxeram materiais e mão de obra para construir suas moradias. 

No início, 155 famílias ocuparam a região. Hoje esse número já supera os 200. Todas essas famílias têm baixa renda mensal e se esforçam diariamente para terem uma melhor qualidade de vida. Tendo em vista essa situação, em 2004, quatro membros representantes da comunidade coletaram fundos e resolveram iniciar um empreendimento que envolveria quase todos os membros e traria uma melhora no seu dia a dia. Foi aí que surgiu a Zero Baht Shop: Baht é a moeda tailandesa, portanto, Zero Baht Shop quer dizer algo semelhante a "loja com zero dinheiro". Mas como assim uma loja que não se usa dinheiro?

A comunidade em On-Nut montou um projeto capaz de dar suporte para bolsas escolares de crianças e adolescentes, assistência médica e despesas para funerais, além de bens de consumo não duráveis básicos, vendidos em um mercadinho. Eles levantam fundos para esses serviços e produtos coletando 1 Baht por dia de cada membro da comunidade - mas isso não é feito por meio do dinheiro, e sim por meio do lixo: o próprio lixo é a moeda de troca.

A lógica é a seguinte: todos os dias, membros da comunidade vão até o estabelecimento da Zero Baht Shop para trazer materiais recicláveis. A loja se responsabiliza por separar esse lixo e fornecer para uma empresa privada de reciclagem. Com o dinheiro da venda do lixo, os responsáveis pela Zero Baht Shop bancam para a comunidade os serviços acima citados, assim como mantém ativo o mercado com produtos básicos. 

Durante as imersões de visitantes externos que vão conhecer o projeto, como nossa equipe realizou, é possível que você converse com as famílias, conheça a loja, receba uma palestra do fundador e mesmo dê uma volta na comunidade para ver como eles recolhem e posteriormente como separam o lixo. Dessa maneira, além de entender a teoria, é possível ter uma experiência prática de como o projeto realmente funciona.

Além de ir ao encontro do problema econômico, a iniciativa também influencia uma questão ambiental e sanitária, amenizando o problema de lixo na região. Outro ponto muito importante é a questão do pertencimento e da confiança em grupo, ou seja, essa iniciativa funciona como um elo de ligação entre membros da comunidade, oferecendo um lugar seguro, saudável e amigável para que essas famílias se desenvolvam e prosperem.

Zero Baht Shop

Hoje eles recebem visitas de pessoas de diversas áreas da Tailândia e mesmo de outras partes do mundo, visando replicar a iniciativa em outras regiões. O resultado visível faz com que os membros acreditem que seus esforços tragam um impacto positivo na sociedade, além de motivá-los a irem sempre além. E claro, servem de inspiração para nós da Calça Thai e para todos que de alguma maneira conhecem esse projeto. 


Como passar as peças feitas de rayon?

O rayon, ou seda vegetal, é um dos materiais mais utilizados na produção da Calça Thai e já foi discutido aqui mesmo no nosso blog. É um tecido originado da celulose e considerado vegano, ou seja, apesar de não ser completamente natural, não há a exploração de animais para que ele seja produzido. O rayon é bastante conhecido por ser um tecido leve, suave, ao mesmo tempo que respirável e resistente. 

Calça Thai Azul

Aqui na Calça Thai, as coleções em rayon são as calças Clássica, Pavão, Thai, Flor, Conforto e Pena, enquanto as outras são feitas de algodão convencional.

Calça Pavão Rosa

Para sua lavagem, é recomendado lavagem à seco, à mão e à máquina com água fria no ciclo delicado, por ser um tecido sensível. Também temos um post sobre outras alternativas para lavar suas roupas com consciência e preocupação ambiental, utilizando sabão em pó caseiro, bolinhas ecológicas ou sabão orgânico. Porém, dependendo da lavagem, é possível que as calças feitas de rayon formem alguns vincos ou mesmo enruguem um pouco. Para remover e mesmo evitar essas imperfeições, aqui vão algumas dicas:

  • Passe sua calça de rayon em baixo nível aquecimento do ferro de passar, utilizando uma configuração baixa. Temperaturas altas podem queimar o rayon;
  • Passe a peça por determinadas áreas e evite puxá-la para não causar deformação;
  • Vire as peças ao avesso quando estiver passando, já que a área em contato com o ferro pode desenvolver uma leve luminosidade;
  • Não utilize vapor ou spray. O rayon perde a tensão quando molhado, e adicionar vapor pode deixar o tecido mais vulnerável a algum dano quando estiver sendo passado; 
  • Passe sua peça com alguma proteção. Se você quer evitar o brilho que aparece quando se passa o rayon, lembre-se de utilizar uma barreira protetora. Você pode colocar uma toalha de mão na área que você quer passar e fazê-lo com a toalha por cima. Use apenas barreiras protetoras limpas e resistentes ao calor, como um tecido de algodão. Algumas pessoas também recomendam utilizar papel alumínio, mas é possível que o papel seja superaquecido e isso pode levar a queimaduras.

Calça Clássica Branca

Lembrete: sempre deixe as configurações do seu ferro de passar no nível mais baixo de aquecimento. Ainda que possa demorar um pouco mais para que a peça fique lisa e suave, adicionar calor excessivo ao rayon pode causar danos ao tecido.

Ainda ficou alguma questão? Se tiver mais dúvidas de como cuidar da sua Calça Thai, confira aqui o guia que preparamos para te ajudar!


Gestos e suas simbologias: mais uma curiosidade tailandesa

Ainda que alguns sinais com as mãos e com o corpo sejam universais e compreendidos em qualquer lugar, cada país tem também gestos próprios, intrínsecos na sua cultura, que muitas vezes só os próprios moradores entendem. Esses gestos dizem muito sobre o tipo de sociedade que é constituída em cada país, sobre as noções de respeito, intimidade e hierarquia. Vamos contar um pouquinho mais sobre os gestos que são utilizados pelos tailandeses e isso vai lhe dar uma noção ainda melhor da cultura thai.

Talvez o gesto mais famoso e diferente seja o wai. Já mencionamos esse gestos em posts no Facebook, mas vamos relembrar. Ele é utilizados para cumprimentar, assim como demonstrar gratidão, desculpas e respeito. É necessário juntar as duas mãos ao peito e se curvar. Quanto mais perto do rosto as mãos estiverem, maior é o respeito demonstrado.

Mulher Tailandia Wai

Essa mesma posição das mãos, quando em frente ao colo, é o gesto utilizado durante a meditação profunda, ou samadhi. E o ato de se curvar, sem as mãos, também é utilizado bastante como símbolo de respeito, tanto por estudantes aos seus professores, quanto por qualquer um a alguém que seja mais velho. 

O respeito pelos mais velhos é uma característica forte na Tailândia, um país onde as hierarquias são enormes. Além de se curvar ser um ato realizado com frequência, sentar em uma posição mais alta que uma pessoa com mais idade que você é considerado falta de educação.

Outro símbolo bacana é o de "eu te amo", representado pelo dedão, dedo indicador e o mindinho levantados, com a mão virada para a pessoa com quem você está falando. Esse gesto também é usado na linguagem de sinais, ou Libras. Para dizer que está tudo bem ou que algo deu certo, fazemos como no Brasil, levantando o dedão e fechando os outros dedos, nosso "sinal de jóia".

Gesto - eu te amo

O sinal de V, que aqui utilizamos como paz e amor, lá é usado quando você está torcendo por alguém ou demonstrando apoio. O sinal de OK é feito com um círculo formado pelo dedão e o dedo indicador, e levantando os outros dedos. Esse mesmo gesto é usado por mergulhadores com a mesma finalidade.

Ok sinal - mergulhadores

Quando se trata de gestos incomuns ou indelicados, a diferença em relação ao Brasil é enorme. A Tailândia não é uma sociedade orientada para o toque ou contato. Dessa maneira, tocar outra pessoa, principalmente alguém de quem você não é íntimo, é algo muito grosseiro. É bom destacar o toque na cabeça, que nunca deve ser feito. Abraços e beijos não são saudações comuns, assim como o aperto de mão - a não ser para amigos muito próximos.

Na Tailândia, colocar as mãos nos quadris também é algo muito indelicado pois demonstra impaciência a quem você está se dirigindo. Olhar fixamente é considerado rude, e manter contato visual por muito tempo pode ser intimidador. Apontar para outra pessoa com o dedo também é visto como algo extremamente indelicado.

Também é muito rude utilizar os pés ou pernas para apontar, seja para pessoas, comidas ou imagens do Buda, assim como colocar os pés em mesas ou cadeiras. Sempre se tira o sapato antes de entrar em um ambiente e não se usa os pés para realizar nenhum sinal.

Como podemos ver, muitos gestos utilizados na Tailândia são apenas daquele país, ou típicos da região do sudeste asiático. Antes de ir para qualquer país, é sempre bom descobrir essas particularidades para não dar bola fora ou soar desrespeitoso. E se você não for viajar agora, sempre vale descobrir essas curiosidades culturais!


A cultura tailandesa dos Espíritos: proteção e crença (e um pouquinho de medo)

Já sabemos que a Tailândia detém uma cultura extremamente espiritualista. Aqui no blog da Calça Thai, já falamos sobre o xamanismo e sua busca pelo mundo dos espíritos. Também sobre a enorme quantidade da população que é budista e como o país é impactado por conta da religião. Diante de toda essa inclinação espiritual, um ponto se destaca: os espíritos, ou Phi, na língua thai. Intrínsecos entre as crenças dos tailandeses, os espíritos trazem proteção - mas por ser algo sobrenatural, também causam algum receio.

Budismo - Espíritos

Acredita-se que os espíritos estão por toda parte mas principalmente em algumas árvores, perto de templos e em casas abandonadas. Se você compra um terreno para construir uma casa, por exemplo, assim que sua casa estiver de pé, o próximo passo é construir a casa dos espíritos. Isso ocorre justamente porque a crença diz que os espíritos já estavam lá antes de você chegar, dessa maneira, você precisa proporcionar moradia para os mesmos. Essa casinha se encontra em quase todas as casas e prédios pela Tailândia, até mesmo em estabelecimentos comerciais e universidades, e todos os dias recebem oferendas do povo, como incensos, flores e comidas. Uma curiosidade é que é comum encontrar refrigerantes sabor morango nas casas dos espíritos, já que acredita-se que eles gostam de bebidas doces. 

Casa dos Espíritos - Fanta sabor Morango

 A crença nos espíritos é muito antiga, tendo surgido a partir de lendas do folclore local. Pouco é encontrado escrito e registrado sobre isso: a maior parte dessa cultura é transmitida pela contação de histórias entre as famílias. A mídia moderna também contribui para que essa crença se mantenha viva e seja ainda mais disseminada, já que diversas novelas e filmes tailandeses incluem espíritos em seus enredos e trazem esse ponto à tona, principalmente puxando para o terror - o que pode influenciar no nosso próximo ponto: o medo que alguns tailandeses sentem de espíritos.

Oh My Ghost! Thai Movie

Ainda que os tailandeses prezem pelo bem estar dos espíritos, sempre garantindo que eles estejam bem cuidados, muitos deles também têm medo de encontrar um espírito por aí. Tal característica pode ser influenciada por essa abordagem da mídia moderna, que na maior parte dos casos traz os espíritos como criaturas assustadoras, aterrorizantes, muitas vezes até mesmo deformadas fisicamente e causando susto em pessoas comuns. Conversando com tailandeses, é comum compartilharem histórias de tensão, como casos que eles mudaram a rota de uma viagem por acreditarem ter visto um espírito pelo caminho, ou não querendo entrar em um quarto de uma casa por acreditar que estão ouvindo ou tendo sinais da presença de um espírito, ou mesmo deixando uma cama vaga dentro do quarto, para que o espírito possa dormir.

Para quem não acredita, é difícil entender como tudo isso funciona, porque é algo que acaba se tornando muito distante do racional. Já para aqueles que têm essa crença, é algo tão normal que já está intrínseco no dia a dia: faz parte da cultura, das casas, das ruas e da sabedoria popular. Essa é mais uma parte da riquíssima cultura espiritual tailandesa - e fique ligado que sempre vem mais por aí!


A Ásia em festa: Ano Novo Thai e Holi Festival Indiano

Se tem duas coisa que a América Latina e a Ásia têm em comum são a religiosidade e a variedade de feriados e festividades: há sempre uma razão pra celebrar. Entre todos os que existem na Ásia, dois deles nos chamam a atenção - um típico da Tailândia e outro da Índia. Ambos cheios de vida, cores e muita água! Quer saber mais?

Songkran – O Ano Novo Tailandês

Songkran

Apesar da Tailândia seguir o calendário ocidental, onde o novo ano começa em Janeiro, ela sempre comemora uma outra celebração de renovação de ano, o Ano Novo Thai, ou Songkran. Ele é celebrado no mês de Abril, no dia 13, se prolongando pelos dias 14 e 15. O termo Songkran vem do sânscrito e significa "passagem astrológica", ou seja, nos remete a transformações, renovações e mudanças. A festividade é mantida no calendário solar budista e também no hinduísta. 

Na prática, a festividade se torna um feriado de quase 1 semana entre os tailandeses, e envolve muita água: por meio de guerrinhas de água espalhadas por toda a cidade, com arminhas, baldes e mangueiras, a ideia é limpar as impurezas e problemas do ano anterior, e se renovar para o ano que começa, tendo um início novo e fresco. Apesar de grande parte do comércio fechar durante esse tempo, é uma época muito interessante para se visitar a Tailândia, exalando boas energias e diversão.

Holi Festival - O Festival das Cores Indiano

Festival Holi

Também conhecido como festival do compartilhamento de amor, a Holi sempre cai entre o fim de Fevereiro e o começo de Março. A festividade se inicia com uma fogueira, que semelhante à simbologia da água no caso do Songkran, a ideia é limpar todo o mal interior, nesse caso queimando ao invés de molhando. O próximo dia é o mais conhecido mundialmente: uma "guerrinha de cores", onde os mais diferentes e vivos tons são compartilhados em formato pó e líquido, por meio de uma água tingida e colorada. A ideia é que todo mundo se pinte e se divirta, sem restrições de interação entre classes sociais, idade, gênero: durante a Holi, todo mundo é igual.

O festival, tão amado pelos indianos e hoje disseminado pelo mundo inteiro, carrega consigo várias simbologias e filosofias: a vitória do bem sobre o mal, a chegada da primavera, a gratidão pela boa safra, e também nos remete a um momento de interação, sendo uma oportunidade para conhecer ouras pessoas, se divertir e dar risada, perdoando erros, esquecendo problemas, e se acertando nos relacionamentos com outros próximos de você.

Songkran e Holi

Apesar de serem festividades diferentes, de datas e culturas diferentes, as duas possuem diversas semelhanças.

Em ambos os casos, o povo ocupa as cidades e as festas acontecem na rua, em parques e espaços públicos. Nessas épocas, todo mundo é igual: se molham juntos, se pintam juntos, se divertem juntos. As ruas enchem de gente com sorriso no rosto e arminhas ou tintas na mãos, a fim de celebrar a vida.

As duas também envolvem água, o que em ambos os casos representa a renovação. E não é só um baldinho por pessoa não: a água fica disseminada por toda a cidade e todos os participantes voltam pra casa encharcados. A Holi ainda conta com o complemento das cores, o que não ocorre no Songkran. Nesse caso, além de molhado, todo mundo volta colorido: cores neons, alegres, vibrantes. 

Ainda que as manifestações tenham bastante em comum, o que mais une os dois festivais é seu objetivo maior: a vontade de deixar o mal para trás e fazer com que o bem prevaleça. Festas lindas feitas por pessoas do bem!

 

 


INFOGRÁFICO | Comércio Justo X Grandes Multinacionais: quais as diferenças?

Já passou pela sua cabeça que realizar suas compras a partir de uma loja baseada em comércio justo e a partir de grandes multinacionais acarreta em diferenças em diversos aspectos? Diferente do que podemos imaginar, nossas roupas não são todas produzidas da mesma forma. Desde a origem dos produtos, o design, até o produto final e mesmo o que ocorre depois, há grandes diferenças quando se considera uma empresa independente e uma grande companhia. Venha entender melhor.

Comparações entre negócios

Origem

Quando compramos de grandes produtores, é difícil saber de onde aquele produto realmente vem. Geralmente essas empresas utilizam matérias primas de diferentes fontes, e nem sempre a cadeia de produção é confiável. Um estudo da USFIA (United States Fashion Industry Association) diz que 100% das empresas que têm menos de 100 funcionários tem sua produção terceirizada em 1, 2 ou 3 países apenas, enquanto grandes empresas com mais de 1000 funcionários chegam a lidar com mais de 20 países diferentes. Várias questões podem surgir, como utilização de recursos que prejudicam o meio ambiente, que são de baixa qualidade, ou mesmo que vêm de fontes duvidosas.

Tratando-se de pequenas lojas, é mais fácil saber de onde exatamente os recursos vêm, sendo mais simples ter controle do residual deixado pelo produto que você está adquirindo.

Comercio justo infografica

 

Volume produzido

No caso de multinacionais, os volumes são enormes. Essas empresas têm lojas por todo o mundo e precisam suprir demandas de diversos países. Para lojas menores, baseadas em comércio justo, volume vem em segundo plano. Primeiro, o foco é oferecer um produto de alta qualidade, prejudicando o mínimo possível o meio ambiente e tendo uma cadeia produtiva limpa e consciente.

Multinacional x Comércio Justo: Volume

Métodos de Produção

Quando produzidos em grande quantidade, a automatização é a maior possível. Não apenas pela quantidade, mas também pela necessidade de agilizar o processo e otimizá-lo, fazendo mais no menor tempo. Por outro lado, quando a produção é realizada em pequena escala, é possível ter um processo mais manual, muitas vezes até mesmo artesanal, com foco na qualidade, duração e o detalhes de um produto. 

Multinacional x Comércio Justo: Produção

Preço

Se você está focado na economia, esse é um dos pontos que pode pesar na hora de se comprar de um comércio justo. Grandes companhias, que produzem em grande escala, geralmente são capazes de cobrar menos por seus produtos, a não ser que tenham um posicionamento premium. Isso ocorre porque conseguem manter seus custos menores. No caso de pequenas lojas que têm uma produção reduzida, os custos acabam sendo maiores e precisam ser repassados aos consumidores. Segundo a USFIA, o fator que mais afeta o custo de produção é o custo do trabalho, ou seja, da mão de obra. Ele é seguido pelo custo de matéria prima, envio e por último o custo associado a políticas e regulações do comércio.

Multinacional x Comércio Justo: Preço

Processos terceirizados

Quanto menor a loja, maior a tendência de realizar todos os processos dentro dela, desde design até entrega e serviço ao consumidor. Isso garante maior controle e padronização de qualidade por parte da empresa.

Quando se trata de empresas maiores, muitos dos processos são terceirizados: produção, finalização, entrega, atendimento, dependendo de cada empresa.

E pra onde vai o seu dinheiro?

Essa é uma questão delicada. Em termos de transparência, a Fashion Revolution realizou uma pesquisa com 40 grandes marcas e apenas cinco delas disponibilizam informações abertas sobre o primeiro nível da sua cadeia de produção. Vinte e quatro dizem que realizam o rastreamento e acompanhamento mas não divulgam as informações e doze não acompanham nem publicam nada. Para a maioria das multinacionais, quase nada do lucro fica na cadeia de produção, sendo que a maior parte fica com os próprios donos, investidores e alto escalão da empresa. As empresas garantem pagar os serviços ou recursos utilizados durante o processo de produção, mas o lucro fica concentrado nas mãos de poucos. 

No caso do comércio justo, a ideia é que todas as partes do processo de produção sejam beneficiadas. Não necessariamente o lucro será dividido entre todos, mas as proporções são mais justas, de modo que todos os envolvidos recebam salários honestos e que o lucro final que fica com a empresa não seja tão discrepante do resto. 

Objetivos dos negócios

Quando falamos de comércio justo, mais do que oferecer um serviço ou um produto, também oferecemos um conceito: uma cadeia produtiva consciente, responsável, limpa e aberta. Sendo assim, o objetivo vai além do produto final, ou seja, além de fazer dinheiro ou montar um negócio, no comércio justo há uma grande preocupação social e ambiental por trás do produto ou serviço final. A ideia é que negócios possam impactar positivamente as vidas de todos os envolvidos. 

Claro que há multinacionais que também têm tais preocupações, porém casos como esse são mais difíceis de ser encontrados. Todos nós já nos deparamos com escândalos de grandes empresas, principalmente no setor têxtil e fashion, que oferecem péssimas condições de trabalho para seus funcionários, às vezes até mesmo ilegais. Na grande parte dos casos, o objetivos dessas empresas é maximizar seu lucro, oferencendo produtos de baixa qualidade - que serão substituídos em pouco tempo -, e de baixo custo - o que é refletido numa cadeia de produção nem sempre honesta.

Multinacional x Comércio Justo: Objetivos

 

Vale ressaltar que não estamos pregando o vilão e o mocinho. Podemos encontrar tanto uma multinacional fazendo um trabalho justo e limpo, quanto um empresa pequena tendo práticas indevidas. Porém, quando se trata de empresas que se focam no comércio justo, a ideia é exatamente promover a consciência dentro do negócio - e a Calça Thai caminha sempre com essa essência!

Infográfico: Comércio Justo x Grandes Multinacionais


5 lojas inspiradoras: explore o ecommerce social

De vez em quando nos deparamos com lojas e iniciativas que chamam nossa atenção e se conectam com nossa essência, seja pelo conceito, seja pela transparência, seja pela inovação. A maioria delas também faz parte do mundo da moda e do vestuário e tem fortes razões de ser, ou seja, elas deixam bem claro que existem por uma razão que vale a pena ser compartilhada. Confira algumas de nossas preferidas!

1. Insecta Shoes

Insecta Shoes

"Insecta Shoes são sapatos ecológicos e veganos, produzidos no Brasil. Transformamos em sapatos peças de roupa vintage, além de garrafas de plástico recicladas. Os mais diversos tecidos e estampas daqueles modelitos abandonados no passado viram botas, oxfords, sandálias e slippers veganos, sem nenhum uso de matéria-prima de origem animal."

A Insecta nasceu no Sul do Brasil, em Porto Alegre, no ano de 2014. Desde então vem produzindo sapatos unissex feitos a partir de roupas de brechós garimpadas à mão e garrafas plásticas, além de outros materiais necessários para a estrutura do sapato. Todo o conceito da Insecta se baseia no reaproveitamento - e o resultado final é lindo!

2. PP Acessórios

 

PP Acessórios

"A PP é uma marca incentivadora da transformação social, trabalhando o couro excedente da indústria calçadista da forma mais pura: cru e com acabamento a fio, em um processo totalmente sustentável. Tiramos os excessos, deixamos o essencial, verdadeiro."

Também de Porto Alegre, a PP produz bolsas de couro reaproveitando material não utilizado e evitando ainda mais envio de lixo tóxico para a natureza. Sustentável, feita à mão e com foco na qualidade, o estoque é renovado a toda semana e cada peça é única. 

3. Tiê 

Tiê

"Moda feminina, masculina e acessórios de muito bom gosto, e que ainda estão em harmonia com um futuro melhor para todos nós. Assim surgiu, há alguns anos, a ideia de colocar tudo isso em prática, assim surgiu a Tiê." 

Essa loja quer retratar a pluralidade cultural no Brasil por meio de uma produção que agride o mínimo possível o ambiente. Ela utiliza materiais reciclados, orgânicos ou de manejo. Foca-se em roupas, mas vende também calçados e acessórios para homens e mulheres.

4. Green Co.

Green Co.

"Temos o compromisso em desenvolver produtos que surpreendam nossos clientes. Cada linha de produtos Green Co. é desenvolvida buscando atender diferentes perfis e estilos, satisfazendo desejos e necessidades dos consumidores mais exigentes. O conforto proporcionados pelos produtos estão aliados a qualidade e acabamento impecáveis."

O foco da loja Green Co. é produzir roupas, acessórios e calçados a partir de matérias primas recicláveis e tecnológicas. O tripé em que a criação de seus produtos se baseia é composto por estilo, qualidade e consciência ambiental. Além de loja online, a Green Co. conta também com lojas físicas e sistema de franquia.

5. Lucid Bag

Lucid Bag

Já ouviu falar de guarda-roupa coletivo? A gente explica melhor!

"Sabe aquele dia que você olha para seu armário cheio de roupas e parece que nada mais te interessa, combina ou cai bem? E se você pudesse ter acesso ao guarda-roupa de muitas mulheres para pegar uma peça emprestada sempre que tivesse vontade de usar algo diferente? Essa é a proposta do Lucid Bag guarda-roupa coletivo, uma comunidade de empréstimos, aluguel e trocas de roupas e acessórios."

A Lucid Bag aposta na ideia da colaboratividade para que as mulheres possam ampliar a variedade de roupas nos seus guarda-roupas sem necessariamente ter que comprar um nova peça, impactando no menor consumo e consequentemente menor produção. Qualquer pessoa pode tentar participar e a decisão final é baseada no potencial de circulação das peças. 

----

E aqui na Calça Thai?

Fazemos parte desse movimento e adoramos ver outras startups e lojas que querem transformar o ecommerce no Brasil, por meio de negócios autênticos e conscientes. Criando uma rede de apoio e admiração, podemos compartilhar ideias limpas, inovadoras e impactar o crescimento de negócios com foco social. 

 


    Você sabe a diferença entre calça Pescador e Pantalona?

    Aqui na Calça Thai, um dos modelos disponíveis no nosso site é o Pescador, que conta com nós e faixas e é comparado a um envelope. Existe também um outro modelo de calças largas que às vezes gera confusão: é a Pantalona. Você sabe qual é a diferença entre os dois?

    A calça pantalona é uma calça bem larga desde a coxa e tem um corte bastante reto. É um modelo famoso dos anos 70, que recentemente voltou para as vitrines e guarda-roupas. Ela é utilizada em diversas ocasiões, formais ou casuais, e pode ser adaptada a estilos completamente diferentes, do hippie ao business casual. 

    Calça Pantalona

    Já a calça Pescador se constitui a partir da ideia de um envelope, ou seja, por dobras e faixas. Ela ganhou esse nome por ser muito utilizada por pescadores na Tailândia. É um modelo extremamente adaptável, já que pode ser ajustada tanto no comprimento quanto na cintura. Por ser envelope, todos seus ajustes são feitos por nós e dobras, não sendo necessário o uso de elásticos. 

    Calça Pescador Verde Oliva
    Calça Pescador Azul Real

    Esses dois modelos podem gerar confusão porque ambos são largos, frequentemente utilizados até a altura do tornozelo e ao vestir, com as  pernas alinhadas, elas podem ser facilmente confundidas por darem um efeito muito semelhante.

    Além da Pescador se diferenciar nas amarras, esse é um modelo mais focado no conforto e na funcionalidade do que no elemento fashion. É um modelo unissex e é bastante popular entre os homens. Em termos de uso, é muito utilizado por terapeutas, instrutoras de yoga e praticantes de meditação, não só pelo corte, mas pelas cores lisas que não causam tanta distração. Também é ideal para grávidas, já que as possibilidades de ajuste são vastas.

    Aqui na Calça Thai, temos o modelo Pescador nas versões longa, que vai até os pés, e 3/4, que vai até a altura da canela. As cores disponíveis são vermelha, azul, verde oliva, azul real, marrom e cinza.

    Observação: por conta dos nós e faixas, a Calça Pescador pode ser um pouco complicada na hora de ser vestida. Para garantir que você não fique com nenhuma dúvida, preparamos um tutorial que explica o passo a passo de como vesti-la. Confira e movimente-se! 


    Conheça mais sobre a Tailândia pré-histórica e a Era do Bronze

    O desenvolvimento de materiais como o bronze, que é uma liga metálica resultante da composição de cobre e estanho, dizem muito sobre o avanço de uma região, pois têm ligação direta com suas ferramentas e atividades econômicas. Por muito tempo acreditou-se que a Era do Bronze se iniciou em 3.300 A.C no Oriente Médio, tendo começado inicialmente da China. Também acreditou-se que o sudeste asiático era uma região relativamente atrasada na pré-história, tendo avanços resultantes de influências externas, chinesas e indianas. Entretanto, descobertas recentes mostram que a Tailândia pode ter sido o primeiro país a produzir o bronze, o que trás uma nova perspectiva sobre o grau de evolução do sudeste asiático naquela época.

    Ban Chiang Mulher

    Artefatos feitos de bronze foram encontrados entre 3.600 e 4.000 A.C, ou seja, mil anos antes da Idade do Bronze. Essas peças foram descobertas nos anos 70 pelo historiador Dr. G. Solheim II, professor da Universidade do Havaí, ao redor do vilarejo de Ban Chiang, no nordeste da Tailândia. Uma curiosidade é que Solheim às vezes é chamado de "Mr. Southeast Asia", ou Senhor Sudeste Asiático, por ter colocado essa região da Ásia no mapa histórico e cultural.

    Entre as descobertas, encontraram pulseiras, peças utilizadas para caça e também belas cerâmicas pintadas. Durante as escavações também encontraram esqueletos e grãos de arroz, o que leva a crer que essas pessoas provavelmente trabalhavam com agricultura. A maior parte desse bronze encontrado continha as proporções perfeitas de estanho e cobre: um pouco menos de estanho torna o bronze muito mole, um pouco mais o torna muito duro, o que facilita que ele quebre. 

    Ban Chiang

    Depois dos anos 1.000 A.C, a região de Ban Chiang, que já estava desenvolvendo uma agricultura de sedentarismo, com criação de animais e plantações de arroz, começou a refinar e melhorar suas técnicas agrícolas. A partir desse momento passaram a desenvolver atividades em construção de casas e fabricação de cerâmica. No caso do bronze, além de já ser utilizado em armas e ornamentos pessoais, a partir dessa época ele passou a ter funções mais utilitárias sendo inserido no dia a dia das pessoas. 

    A parte mais interessante dessa história toda é que essa descoberta diz muito sobre o avanço do sudeste asiático. Diferente do que pensavam, essa era uma das regiões mais desenvolvidas daquela época. De acordo com a UNESCO, "Esta área da Tailândia vem mostrando, por meio de escavações e pesquisas de campo, ter sido o centro de um desenvolvimento cultural independente e vigoroso, que moldou a evolução social e cultural contemporânea sobre grande parte do sudeste da Ásia e mesmo além, no arquipélago da Indonésia."


    Tutorial - Como realizar uma compra na Loja Online CalçaThai.com

    25 Outubro 2016
    0 Comentários

    Escrito por Calça Thai

    Aqui na Calça Thai fazemos calças mas também somos amantes da Tailândia e da cultura tailandesa.

    Tutorial - Como realizar uma compra na Loja Online CalçaThai.com

    Temos tanta informação disponível online que às vezes nos perdemos em um mar de conteúdo, alertas e botões. Para seu processo de compra no CalçaThai.com ficar mais fácil, preparamos um tutorial que explica o passo a passo de como realizar um pedido, desde o processo de escolha até o pagamento e confirmação. Confira aqui e boas compras!

     

    Passo 1: Escolha a Coleção

    Na barra superior do site da Calça Thai, é possível encontrar todas as Coleções disponíveis. São 4 divisões - Calça Thai, Calça Hippie, Calça Envelope e Calça Masculina - e coleções - Clássica, Thai, Pavão, Mata, Onda, Conforto, Pena, Pescador, Pescador 3/4, Om, Evolução e Vibe. Você tem acesso a todos esses modelos clicando aqui.

    Passo 1 - Escolha a Coleção

    Se precisar de uma ajuda para entender qual coleção combina mais com o que você está procurando, nosso Guia de Produtos pode ajudar:

    Guia de Produtos

     

    Passo 2: Escolha a Cor

    Uma vez que você tenha escolhido o modelo, é hora de decidir a cor. Clicando no modelo desejado, você é direcionado para a página da Coleção, que traz todas as cores disponíveis, indo de branco a bordô, passando por azul, verde oliva e amarelo, dependendo da Coleção. Escolha a cor desejada clicando na foto do modelo.

    Passo 2 - Escolha a Cor

     

    Passo 3: Adicione ao Carrinho

    Agora que você já escolheu a Coleção e a Cor, ou seja, o modelo que você quer comprar, o próximo passo é adicionar ao carrinho. Na página de cada modelo você encontra o botão Adicionar ao Carrinho, com a opção de selecionar o número de peças desejadas, caso você queira pedir mais de uma.

    Passo 3 - Adicione ao Carrinho

    Ao clicar em Adicionar ao Carrinho, uma nova caixa abre à sua direita, indicando os itens incluídos no seu carrinho. Nesse momento, confira se seu pedido está correto e clique em Continuar.

    Passo 3 - Continuar

     

    Passo 4: Preencha suas informações

    Nesse passo, é necessário preencher seu email e o endereço de entrega. Lembre-se de adicionar seu endereço completo, com nome da rua, bairro e número da casa, apartamento, bloco, andar ou qualquer outro dado relevante. Se você estiver utilizando algum código promocional ou vale presente, esse é o momento para adicioná-lo na caixa à direita. 

    Passo 4 - Preencher informações

    Existe também a opção "Já possui uma conta conosco? Entrar", caso você já tenha realizado seu cadastro. Nessa caso, você só precisa inserir o email cadastrado e a senha, e suas informações de entregas já estarão salvas.

    Passo 4 - Clientes cadastrados

    Passo 5: Confirme se seus dados estão corretos

    Após preencher sua informações pessoas e dados de entrega, confira se os dados estão corretos e selecione a Forma de Envio: Frete grátis, 15 - 30 dias. 

    Clique em "Seguir para a forma de pagamento" para completar o próximo passo.

    Passo 5 - Escolha a Forma de Envio

     

    Passo 6: Selecione o endereço da sua conta para pagamento

    Confira seu pedido mais uma vez, selecione o endereço de cobrança (mesmo do de entrega ou usar um endereço de cobrança diferente), selecione se deseja receber a Newsletter da Calça Thai e clique em Finalizar Pedido, para ser direcionada à página do pagamento.

    Passo 6 - Escolha a Forma de Pagamento

     

    Passo 7: Selecione a opção de Pagamento pelo PagBrasil

    O PagBrasil é uma processadora brasileira de pagamento seguros, e é quem vai processar seu pagamento. Após realizado, você é direcionado novamente para o site da Calça Thai.

    Escolha entre Cartão de Crédito (Visa, Mastercard, American Express, Diners Club, Hipercard e Elo) ou Transferência Bancária Online (Bradesco, Banco do Brasil ou Banricompras). 

    Passo 7 - Selecione a Opção de Pagamento pelo PagBrasil

     

    Passo 8: Confirmação e Redirecionamento para Calça Thai

    Após realizar o pagamento, você receberá um email de confirmação que garante que seu pedido tenha sido concluído. Depois de alguns dias um código de rastreamento e um link vão chegar, assim você pode acompanhar por onde seu pedido anda. Todas as peças são enviados pelos Correios e o prazo médio de entrega fica entre 15 e 30 dias, porém pode variar de acordo com a época do ano ou região do país. Agora é só esperar pra receber sua mais nova peça da Calça Thai! 

     

    Se tiver alguma outra dúvida, entre em contato com nossa equipe pelo Fale Conosco ou envie uma mensagem para o email info@calcathai.com, disponível 7 dias na semana.