Blog Calça Thai - Estilo, moda, novidades e notícias do universo Thai

Calça Thai

Como pendurar e guardar peças de rayon e manter um aroma agradável?

Há pouco tempo escrevemos um post sobre como passar as peças feitas de rayon. Trouxemos dicas e procedimentos para evitar vincos e marcas nas calças feitas a partir desse material. Ainda que muito resistente, o rayon é um material mais fino e delicado, por isso os cuidados para que suas peças durem ainda mais não param por aí. Agora, confira algumas dicas sobre como pendurar e guardar suas roupas: 

Calça Pavão Púrpura Rayon

 

  • Tenha certeza que a peça de rayon esteja completamente seca antes de guardá-la. Se você dobrar sua peça ainda úmida, pode aparecer algum mofo e a peça pode desenvolver um cheio azedo ou de mofo.
  • Sempre pendure sua calça feita de rayon em um cabide resistente e que não seja escorregadio. Quando pendurado corretamente, o rayon dificilmente vai formar vincos. Essas calças devem ser penduradas na vertical pra evitar que elas enruguem.
  • Se você for dobrar sua calça, tente dobrá-la seguindo o sentido da costura da peça. Lembre-se também de não colocar outras peças em cima da calça. Isso previne que a calça crie vincos por conta da pressão de uma peça sobre outra.
  • Se você preferir encobrir a peça quando ela estiver dentro do guarda roupa, certifique-se que seja uma capa limpa e incolor, ou então compre uma capa própria para encobrir o material rayon.

Além dessas dicas de como passar, pendurar e guardar peças feitas de rayon, temos também dicas para que sua Calça Thai sempre tenha um aroma agradável. Vale lembra que essas dicas servem pra diversas roupas e não apenas para as Calças Thai!

  • Coloque sachês perfumados e panos secos dentro do seu guarda roupa e de suas gavetas. É possível trazer um cheiro de frescor para seu guarda roupa utilizando sachês de suas ervas, flores e aromas favoritos. Você pode usar sachês comprados em lojas ou fazer o seu próprio sachê perfumado em casa, enchendo saquinhos de pano com ervas desidratadas e fechando com um cordão. Coloque os sachês tanto nas gavetas, quanto pendurados em cabides.
Sachê perfumado
 
  • Você também pode utilizar óleos essenciais ou perfumes. Adicione entre 2 e 5 gotas do seu óleo ou perfume favorito em um pedaço de pano, em um papel toalha ou mesmo em bolinhas de algodão. Coloque esse material perfumado nas gavetas e em outras divisórias. Você também pode pingar algumas gotas de óleo essencial nas paredes do guarda roupa ou das gavetas. Certifique-se de que o óleo esteja seco antes de guardar suas roupas.
  • Outra opção é tentar utilizar velas e sabonetes perfumados como purificadores. É só colocar dentro do guarda roupa uma vela apagada ou uma barra de sabão embrulhada em tecido que o aroma vai se difundir.  
  • Além disso, mais uma possibilidade é fazer uso de uma madeira já perfumada organicamente como purificador natural. Cedro e sândalo são boas opções, mas se preferir você pode optar por outro tipo de madeira com cheiro intenso e agradável. Colocando um ou dois pedaços da madeira no seu guarda roupa, aquele cheiro vai se espalhar. O cedro é famoso por afastar mosquitos e também por absorver a umidade, que por sinal é um dos principais fatores responsáveis pelo cheiro de mofo nas suas roupas. 
Faça bom uso de todas essas dicas e mantenha suas roupas limpinhas e cheirosas por muito mais tempo!

Como combater o estresse com Tai Chi, a meditação em movimento

Você já ouviu falar de Tai Chi? Ou às vezes chamado de Tai Chi Chuan? Para alguns, o Tai Chi é conhecido como a yoga chinesa, e é talvez a arte marcial mais conhecida da China anciã. Ele tem suas bases no Qigong, um conjunto de técnicas e alongamentos que visam auxiliar o movimento da energia vital que já flui através de todas as coisas do universo, e algumas técnicas das artes marciais chinesas de milhares de anos atrás. Foi desenvolvido por volta de 1670 e é caracterizado por contrastar e complementar movimentos lentos e leves com outros mais bruscos e pesados.

Apesar no nome levar "tai", a origem dessa arte marcial não tem relação com a Tailândia. Na verdade, o termo "tai chi" apareceu no Livro das Mudanças, mais de 3000 anos atrás, dizendo que "em todas as mudanças existe o tai chi, que causa os dois opostos de tudo". Esse termo é também utilizado pra representar a vastidão do universo.

Tai Chi

Os textos tradicionais escritos por mestres de Tai Chi nos orientam a três práticas: vencer o movimento por meio da quietude, vencer a dureza por meio da suavidade, e vencer o rápido por meio do lento. Ou seja, utilizar ideias opostas e complementares para levar uma vida de equilíbrio. Seus movimentos foram baseados na observação da natureza: não apenas em plantas, fenômenos e animais, mas principalmente em como todos esses elementos que nos cercam interagem entre si. 

O primeiro estilo desenvolvido no Tai Chi é chamado Chen, e a partir desse, outros 3 se desenvolveram: Wu, Hao e Sun. Todos eles têm princípios essenciais parecidos, mas contém posições e características particulares. Já estilo mais popular é o Yang, com movimentos mais gentis, delicados e lentos, que é mais fácil de ser aprendido e também promove uma vida saudável. Além desses, hoje há diversos outros estilos originados dos primeiros, adaptados por todo o planeta.

Desde o século 19, os chineses compreenderam o quanto a prática de Tai Chi traz benefícios para o ser humano e sua popularidade tem crescido a cada ano: pesquisas dizem que mais de 300 milhões de pessoas o praticam. Além de trazer a tranquilidade e a paz de espírito de uma meditação, ele também é recomendado em termos de saúde, já que seus movimentos promovem a elasticidade e força corporal. 

Essa meditação em movimento é amplamente aconselhada para aqueles que vivem em grandes cidades e sofre o estresse da rotina. O Tai Chi pode ser um caminho para uma vida mais saudável, em paz e em equilíbrio. Aqui na Calça Thai, nossa Calça Pescador é ideal para essa prática!

Calça Pescador Bordô

 


Calça Indiana ou Calça Tailandesa? A gente explica!

Muitos anos atrás, o vestuário indiano influenciou o surgimento do modelo de calça envelope, na Tailândia. Esse modelo, que depois foi evoluído até o desenvolvimento das "fisherman pants", ou calça pescador, era formado por um pedaço de tecido retangular que é embrulhado ao redor do corpo e amarrado na cintura com o excesso de tecido. Os homens ajustavam a calça para uma altura mais curta, que facilitava o conforto para trabalhar, enquanto que as mulheres só usavam modelos longos, a fim de cobrir todo o comprimento das pernas - mostrar essa parte do corpo era um sinal de desrespeito. Além disso, muitas vezes os homens trabalhavam sem camisa, enquanto que as mulheres estavam majoritariamente cobertas.

Tecidos e roupas simbolizavam padrões sociais que diferiam ao longo dos reinados de cada monarca tailandês. A pessoas mais ricas usavam tecidos elaborados, altamente decorados, incluindo até mesmo fios de ouro ou de prata. Muitos dos tecidos utilizados em ocasiões especiais, como seda e cetim, eram frequentemente importados da Índia e da China. Enquanto isso, nas classes mais baixas predominava o algodão.

Roupa tailandesa antiga

Apesar desse tipo de vestuário acabar gastando uma maior quantidade de tecido, ele era amplamente utilizado, tanto pelo conforto, quanto pela versatilidade. Esse mesmo tecido com que se fazia as calças também tinha outros usos: proteger-se do frio, repelir mosquitos e outros animais, além de ser utilizado como toalha de banho. 

Enquanto isso, as calças indianas, também conhecidas como harém, também surgiram desse pedaço de pano retangular, que era difundido por diversos países da Ásia. Lá na Índia ele era conhecido como "dhoti", "pancha", "mardani"ou "veshti", e era utilizado majoritariamente por homens.

Calça Dhoti Indiana

Hoje, as calças indianas são amplamente utilizadas no mundo, por pessoas de ambos os sexos. Geralmente são largas, têm o gancho baixo e um elástico inferior na altura do tornozelo. Assemelham-se muito com as calças tailandesas, e muitas vezes fica até mesmo difícil diferenciar as duas, já que as culturas, os cortes e os tecidos já se misturaram bastante.

 


Guia dos melhores festivais alternativos do Brasil em 2017

29 Janeiro 2017
0 Comentários

Escrito por Calça Thai

Aqui na Calça Thai fazemos calças mas também somos amantes da Tailândia e da cultura tailandesa.

Guia dos melhores festivais alternativos do Brasil em 2017

Ir a um festival é quase como entrar em um mundo novo. A gente se transforma junto com a energia intensa que essas festas emanam. A gente se une a pessoas que nunca antes tínhamos visto, e formamos um todo. Sabemos que várias pessoas usam suas Calças Thai em festivais, por isso preparamos um guia pra te ajudar a decidir qual será seu próximo!  Ainda não sabe para onde ir esse ano? Confira nosso Guia de Festivais e escolha o que mais combina com você.

 

Festival Internacional de Cultura Alternativa (FICA)

 

FICA

"O FICA pretende ser um modelo de convivência pacífica e harmônica entre todas as pessoas interessadas na cultura alternativa, ambiental, artística, por meio de oficinas, palestras, vivências e apresentações culturais focando uma visão ecológica espiritualizada."

O FICA acontece geralmente no mês de julho mas esse ano ainda não tem data definida. Ele é realizado na Flor de Ouro, em Alta Paraíso, Goiás - plena Chapada dos Veadeiros. É regado a música popular brasileira alternativa, de reggae a rock rural. A inscrição para o FICA já inclui acomodação em camping ou chalé, e o valor varia de acordo com a data que você chegar. Os combos de inscrição + alimentação variam entre R$150,00 e R$1.500,00 de acordo com o tipo de alimentação e hospedagem. Crianças também são bem vindas e pagam meia. 

 

Universo Paralello

 

Universo Paralelo

O nome já diz tudo: um outro universo. Esse é um famoso festival de trance localizado em uma praia paradisíaca: são 2km de praia reservados para esse tributo à música eletrônica.  Além desse tipo de som, uma parte do festival também é dedicada à música chill out, reggae e world music, além de apresentações artísticas e oficinas diversas. As experiências são diversas e é preciso chegar de mente aberta para interagir com diversos tipos de gente, arte e cultura.

É o sonho de quase todo fã de festival aqui no Brasil e acontece entre dezembro e janeiro, contemplando a virada de ano, na Bahia, Praia de Pratigi. Esse ano, em sua décima quarta edição, o festival vai acontecer entre os dias 27 de dezembro e 3 de janeiro. Os primeiros lotes de ingressos promocionais já se esgotaram e estavam custando R$ 530,00 - para quem for comprar daqui pra frente, pode saber que esse preço vai subir. Para acompanhar todas as novidades, siga a página do evento no Facebook.

 

Pulsar Festival 

 

Pulsar

"Serão cinco dias de vivências e oficinas de permacultura e artes somadas a uma experiência audiovisual única. O line up, como sempre, é comandado por alguns dos principais artistas da vanguarda psicodélica mundial e a decoração poderia facilmente ter sido importada de outras galáxias."

Esse ano o Pulsar Festival rola em junho, entre os dias 14 e 19, em Cachoeira Alta, na acolhedora cidade de Ipoema, Minas Gerais. O line up conta com diversos DJs brasileiros e internacionais - chileno, sueco, inglês, grego e até mesmo indiano. O primeiro lote custa R$ 320,00 individual, e R$ 580,00 duplo. O duplo só pode ser comprado pelo website do evento e a entrada de menores de idade não é permitida. No Facebook, você encontra todos os detalhes, além de excursões saindo de diversos cantos do Brasil 

 

Kundalini Festival

 

Kudalini

"A edição de 2017 Shiva/Shakti Kundalini tem em suas raízes a intenção de trazer a todos a força da transformação alinhada a energia primordial da criação.
Sejam todos bem-vindos a mais uma etapa do despertar planetário!"

Com muita cultura psicodélica, o Kundalini acontece em São José dos Ausentes, Rio Grande do Sul, de 8 a 13 de fevereiro. Crianças são bem vindas e há até mesmo espaços especiais para os pequenos. O terceiro lote custa R$ 300,00 e será vendido até a data do evento. A música varia entre a eletrônica psicodélica e um estilo mais tranquilo, o chill out. Na página do evento, você confere todos os DJs confirmados, além de excursões e outros detalhes.

 

Trance in Moon

 

Trance in Moon

A descrição do evento é misteriosa: "A Trance in Moon é uma corrente que se iniciou com amigos em um grupo secreto, e que em sua primeira edição foi considerado o festival revelação de 2013 por votação totalmente voluntária através da pesquisa feita pela Trancers Brasil." Mais um festival de trance, dessa vez em São José da Bela Vista, próximo a São Paulo.

O Trance in Moon 2017 rola em abril, no feriado da Páscoa, de 13 a 16. O primeiro lote custa R$ 120,00, e o segundo, R$ 140,00. O valor não inclui acomodação; para isso, é necessário acessar o Facebook e conferir os alojamentos disponíveis. Na página do evento, 6 mil pessoas já estão confirmadas. Para garantir sua entrada, também é obrigado levar 1kg de alimento não perecível. 

 

Festival Mundo de Oz

Mundo de Oz

 

"O Mundo De Oz é um evento multicultural com atividades artísticas, artesanais, musicais, ecológicas, circenses, cênicas e educativas que leva seu público a explorar os conceitos de uma comunidade alternativa, que busca paz, amor, união e respeito através da música. Temos como nossa missão criar um lugar onde todas as pessoas sejam iguais, onde não se repara em roupas de marca ou em quanto você tem no bolso, um lugar onde o ser humano é valorizado como deve ser."

Em abril, na Fazenda Bom Jardim, em Aparecida, SP, entre os dias 20 e 23, rola a oitava edição do festival. Os lotes custam entre R$ 150,00 e R$ 320,00. Fichas de consumação também serão vendidas pelo site do evento. Rola muita música eletrônica psicodélica, além de oficinas. No Facebook, 9 mil pessoas estão confirmadas, e outras 26 mil se dizem interessadas. No site, é possível encontrar também o "Guia Oz", com todas as informações úteis sobre esse festival. 

 

Festival Forró da Lua Cheia

 

Forró da Lua Cheia

"Há 25 anos, o Festival Forró da Lua Cheia vem proporcionando edições memoráveis, com shows do gabarito de Renato Teixeira, Morais Moreira, Beto Guedes, Lenine" e por aí vai!

Regado a música popular brasileira, Forró da Lua Cheia rola dentro do hotel fazenda Vale das Grutas, em Altinópolis, SP. Esse ano acontece em maio, entre os dias 5 e 7, e contará com shows de Gabriel O Pensador, Falamansa, IRA!, entre outros. Ainda não liberaram muitas informações, mas em breve a página do evento será atualizada. Por lá, 5 mil pessoas já estão confirmadas, e 11 mil interessadas. O primeiro lote já está à venda, e custa R$ 220,00, dando acesso aos 3 dias de festival, e incluindo área para camping. 

 

Celebração de Dharma do Sudeste

 

Celebração Dharma do Sudeste

"Todos são bem-vindos à primeira Celebração de Dharma do Sudeste da NKT-IKBU 2017. No ambiente inspirador do Templo pela Paz Mundial, a Celebração de Dharma do Sudeste é uma bela oportunidade para vivenciar os ensinamentos de Buda e compartilhar momentos significativos com amigos espirituais. Uma pausa na agitação do dia-a-dia e uma imersão na prática espiritual. Tempo de meditar, refletir e desfrutar de profunda paz interior."

Acontece em Cabreúva, SP, no feriado de Carnaval, de 24 de fevereiro a 3 de março. Diferente dos outros festivais, esse funciona mais como um retiro de meditação e iniciação à doutrina budista. A ideia é aprender práticas que ajudam as pessoas a se fortalecerem internamente. Você não precisa ser experiente para se inscrever - iniciantes no budismo também são bem vindos. Para se hospedar, você pode escolher camping, chalé ou hotel, e crianças também são bem vindas. O pacote completo de abertura, iniciação, ensinamentos e retiro custa R$ 530, e acomodação e alimentação são pagos à parte. Você também pode optar por adquirir apenas partes dos dias. 

 

Gostou? Não esquece de comprar uma Calça Thai para seu próximo festival! 


Roupa confortável durante e após a gravidez: conheça as peças da Calça Thai

A gravidez é um marco na vida de qualquer mulher, talvez o maior marco pelo qual a maioria das mulheres passa. O cuidado com as roupas conforme o barrigão cresce é tão importante quanto o cuidado depois que o bebê nasce. Reconhecemos a importância de se estar o mais confortável possível, se sentindo bem com o corpo e utilizando roupas que ajudam nesse processo intenso e maravilhoso. Aqui na Calça Thai, já contamos que algumas de nossas peças são ideais para mulheres grávidas e principalmente para o pós gravidez, ou seja, o período de amamentação e adaptação a uma nova rotina e a um corpo transformado, que se altera novamente assim que o bebê vem ao mundo. 

Calça Pavão Púrpura

O pós gravidez é uma fase em que as roupas precisam ser leves e macias; precisam facilitar a amamentação diária e também ser ajustáveis, já que o corpo passa por diversas transformações - desde o início da gravidez, até os primeiros meses de vida do bebê.

Algumas coleções da Calça Thai podem te ajudar a passar por essa fase com mais tranquilidade: são as coleções Thai, PavãoPescadorFlorClássica e Pescador 3/4

 

 

Uma das vantagens das coleções Clássica, Thai, Flor e Pavão é a possibilidade de se usar a Calça Thai como macacão. Dessa maneira, as mulheres não apenas evitam apertar a região da barriga com o elástico, como facilitam o momento da amamentação, uma vez que é muito fácil e prático abaixar o macacão para amamentar, e depois voltar para a altura normal.

 
Calça Flor Vermelha Macacão

 

Além disso, o material macio e a ausência de zíperes ou botões evitam que a roupa cause incômodo por conta da cicatriz na barriga, no caso de uma cesariana. 

Outra grande vantagem dessa coleções, mas principalmente dos modelos envelope - as calças Pescador e Pescador 3/4, é a facilidade de ajuste ao corpo, tanto durante a gravidez, quanto após dar à luz, porque essa calças podem ser alargadas ou ajustadas de acordo com a form do seu corpo. Esse modelo não possui elástico ou botões: todo o ajuste é feito por meio de faixas na própria calça, podendo deixar sua calça mais alta ou mai baixa, mais justa ou mais folgada.

Durante e após a gravidez, é importante colocar seu conforto e o conforto do seu bebê em primeiro lugar, tanto levando uma vida saudável, se preocupando com sua mente e seu corpo, quanto vestindo roupas que fazem com que você se sinta bem!


Sabe o que está estampado nas moedas tailandesas? Descubra aqui!

Talvez você já saiba que a moeda utilizada na Tailândia é o Thai Baht. Comparada ao Brasil, com 1 real você compra aproximadamente 10 Baht, sendo que o câmbio varia geralmente ficando entre 8 e 12 Baht. Mas você já procurou saber o que vem estampado nas faces das moedas?

Em um país em que a doutrina religiosa é tão forte, dominada pelo budismo, nada mais justo que homenagear os locais que representam essa cultura, que tangibilizam o espírito de paz aqui da Tailândia e que une os tailandeses: são os Templos.

Cada uma das moedas tailandesas têm um Templo em uma das faces, e todos são temples localizados na cidade de Bangkok.

Na moeda de 1 Baht, que vale quase 1 centavo de Real, vemos o Templo do Buda de Esmeralda. Ele é o Templo mais sagrado da Tailândia, ainda hoje é usado como capela do Rei e é o único onde não residem monges. Fica dentro da Capela Real, ou Wat Phra Kaew, ao lado do Grand Palace, no centro antigo de Bangkok.

Templo do Buda de Esmeralda

Já na de 2 Baht, o Templo estampado é o Golden Mount. Ele fica no Wat Saket e é da Era de Ayutthaya. Subir os degraus do Golden Mount coloca tudo em perspectiva e oferece uma vista linda da Ilha de Rattanakosin. Em novembro, um festival no Wat Saket leva uma procissão com velas até o topo do Golden Mount.  

Golden Mount

O Templo de Mármore fica com os 5 Baht. Ele fica localizado em uma região mais afastada de Bangkok e por isso recebe menos visitas que os outros; porém, por conta da sua estrutura de mármore e vitrais, além de 50 estátuas de Buda no topo, alguns dizem ser um dos templos mais bonitos do país.

Templo de Mármore

 

Por fim, a última e mais alta moeda, a de 10 Baht, o Templo do Amanhecer, ou Templo da Alvorada, conhecido em inglês como "Temple of Dawn". Ele se localiza na beira do principal Rio de Bangkok, o Chao Phraya: ao realizar um passeio de barco pelo rio, a vista do templo todo iluminado à noite é maravilhosa. 

Templo do Amanhecer

Quando vier à Tailândia, não deixe de visitar cada um deles!

*Crédito das imagens: @RatiButr


Zero Baht Shop: conheça uma iniciativa social inspiradora!

Como sempre mostramos para vocês, aqui na Calça Thai prezamos pelo comércio justo, pela justiça nas nossas relações e pela consciência socioambiental. Já contamos sobre lojas online que admiramos, já fizemos parceria com um projeto incrível que fomenta o plantio de árvores no mundo, já até recebemos o selo Site Sustentável, que garante que compensemos toda emissão de gás carbônico do nosso site por meio do plantio de árvores na Mata Atlântica. Diante de tudo isso, sempre ficamos antenados no que tem rolado no mundo em termos de inovação social e responsabilidade ambiental. Durante nossas buscas, encontramos e visitamos um projeto muito bacana localizando em uma região periférica de Bangkok - é a Zero Baht Shop.

Zero Baht Shop

A capital e maior cidade da Tailândia possui mais de 6 milhões de habitantes, quase 10% do total de pessoas que vivem no país asiático. Toda essa gente consumindo produtos e alimentos todos os dias promovem uma quantidade enorme de lixo. Hoje em dia, o lixo é um dos maiores problems que o país enfrenta: muito consumo e pouco descarte realizado corretamente, principalmente do plástico, um dos materiais mais ofensivos ao meio ambiente, já que sua decomposição é extremamente demorada. 

Além disso, com o rápido crescimento econômico do país, o custo de vida tailandês está aumentando a cada ano. Para sobreviver a essa situação, as pessoas usam diferentes estratégias para transformar seu estilo de vida de modo que consigam economizar dinheiro, se adaptar à economia de suficiência, filosofia desenvolvida pelo Rei, e incrementar sua renda. Entretanto, para as classes mais baixas, é difícil lidar com toda a mudança socioeconômica pela qual o país passa. Os que mais sofrem são aqueles nas áreas urbanas mais pobres, como favelas e periferias. Geralmente essas pessoas conseguem suas rendas por atividades rentáveis diárias, ou seja, vender comida nas ruas ou coletando lixo.

Zero Baht Shop

Diante nesse cenário, uma comunidade de Bangkok, localizada no bairro de On-Nut, nos chamou a atenção pelas suas práticas que fazem a diferença na sua situação econômica mais inferior. Essa comunidade se constitui por 20 grupos que se mudaram de diferentes pontes no ano de 2001 por conta de políticas governamentais determinadas por autoridades tailandesas. Tais autoridades prepararam áreas com facilidades básicas, como eletricidade, suprimento de água, ruas pavimentadas e esgoto tratado. Já a parte da construção das casas era papel dos próprios membros da comunidade, que trouxeram materiais e mão de obra para construir suas moradias. 

No início, 155 famílias ocuparam a região. Hoje esse número já supera os 200. Todas essas famílias têm baixa renda mensal e se esforçam diariamente para terem uma melhor qualidade de vida. Tendo em vista essa situação, em 2004, quatro membros representantes da comunidade coletaram fundos e resolveram iniciar um empreendimento que envolveria quase todos os membros e traria uma melhora no seu dia a dia. Foi aí que surgiu a Zero Baht Shop: Baht é a moeda tailandesa, portanto, Zero Baht Shop quer dizer algo semelhante a "loja com zero dinheiro". Mas como assim uma loja que não se usa dinheiro?

A comunidade em On-Nut montou um projeto capaz de dar suporte para bolsas escolares de crianças e adolescentes, assistência médica e despesas para funerais, além de bens de consumo não duráveis básicos, vendidos em um mercadinho. Eles levantam fundos para esses serviços e produtos coletando 1 Baht por dia de cada membro da comunidade - mas isso não é feito por meio do dinheiro, e sim por meio do lixo: o próprio lixo é a moeda de troca.

A lógica é a seguinte: todos os dias, membros da comunidade vão até o estabelecimento da Zero Baht Shop para trazer materiais recicláveis. A loja se responsabiliza por separar esse lixo e fornecer para uma empresa privada de reciclagem. Com o dinheiro da venda do lixo, os responsáveis pela Zero Baht Shop bancam para a comunidade os serviços acima citados, assim como mantém ativo o mercado com produtos básicos. 

Durante as imersões de visitantes externos que vão conhecer o projeto, como nossa equipe realizou, é possível que você converse com as famílias, conheça a loja, receba uma palestra do fundador e mesmo dê uma volta na comunidade para ver como eles recolhem e posteriormente como separam o lixo. Dessa maneira, além de entender a teoria, é possível ter uma experiência prática de como o projeto realmente funciona.

Além de ir ao encontro do problema econômico, a iniciativa também influencia uma questão ambiental e sanitária, amenizando o problema de lixo na região. Outro ponto muito importante é a questão do pertencimento e da confiança em grupo, ou seja, essa iniciativa funciona como um elo de ligação entre membros da comunidade, oferecendo um lugar seguro, saudável e amigável para que essas famílias se desenvolvam e prosperem.

Zero Baht Shop

Hoje eles recebem visitas de pessoas de diversas áreas da Tailândia e mesmo de outras partes do mundo, visando replicar a iniciativa em outras regiões. O resultado visível faz com que os membros acreditem que seus esforços tragam um impacto positivo na sociedade, além de motivá-los a irem sempre além. E claro, servem de inspiração para nós da Calça Thai e para todos que de alguma maneira conhecem esse projeto. 


Como passar as peças feitas de rayon?

O rayon, ou seda vegetal, é um dos materiais mais utilizados na produção da Calça Thai e já foi discutido aqui mesmo no nosso blog. É um tecido originado da celulose e considerado vegano, ou seja, apesar de não ser completamente natural, não há a exploração de animais para que ele seja produzido. O rayon é bastante conhecido por ser um tecido leve, suave, ao mesmo tempo que respirável e resistente. 

Calça Thai Azul

Aqui na Calça Thai, as coleções em rayon são as calças Clássica, Pavão, Thai, Flor, Conforto e Pena, enquanto as outras são feitas de algodão convencional.

Calça Pavão Rosa

Para sua lavagem, é recomendado lavagem à seco, à mão e à máquina com água fria no ciclo delicado, por ser um tecido sensível. Também temos um post sobre outras alternativas para lavar suas roupas com consciência e preocupação ambiental, utilizando sabão em pó caseiro, bolinhas ecológicas ou sabão orgânico. Porém, dependendo da lavagem, é possível que as calças feitas de rayon formem alguns vincos ou mesmo enruguem um pouco. Para remover e mesmo evitar essas imperfeições, aqui vão algumas dicas:

  • Passe sua calça de rayon em baixo nível aquecimento do ferro de passar, utilizando uma configuração baixa. Temperaturas altas podem queimar o rayon;
  • Passe a peça por determinadas áreas e evite puxá-la para não causar deformação;
  • Vire as peças ao avesso quando estiver passando, já que a área em contato com o ferro pode desenvolver uma leve luminosidade;
  • Não utilize vapor ou spray. O rayon perde a tensão quando molhado, e adicionar vapor pode deixar o tecido mais vulnerável a algum dano quando estiver sendo passado; 
  • Passe sua peça com alguma proteção. Se você quer evitar o brilho que aparece quando se passa o rayon, lembre-se de utilizar uma barreira protetora. Você pode colocar uma toalha de mão na área que você quer passar e fazê-lo com a toalha por cima. Use apenas barreiras protetoras limpas e resistentes ao calor, como um tecido de algodão. Algumas pessoas também recomendam utilizar papel alumínio, mas é possível que o papel seja superaquecido e isso pode levar a queimaduras.

Calça Clássica Branca

Lembrete: sempre deixe as configurações do seu ferro de passar no nível mais baixo de aquecimento. Ainda que possa demorar um pouco mais para que a peça fique lisa e suave, adicionar calor excessivo ao rayon pode causar danos ao tecido.

Ainda ficou alguma questão? Se tiver mais dúvidas de como cuidar da sua Calça Thai, confira aqui o guia que preparamos para te ajudar!


Gestos e suas simbologias: mais uma curiosidade tailandesa

Ainda que alguns sinais com as mãos e com o corpo sejam universais e compreendidos em qualquer lugar, cada país tem também gestos próprios, intrínsecos na sua cultura, que muitas vezes só os próprios moradores entendem. Esses gestos dizem muito sobre o tipo de sociedade que é constituída em cada país, sobre as noções de respeito, intimidade e hierarquia. Vamos contar um pouquinho mais sobre os gestos que são utilizados pelos tailandeses e isso vai lhe dar uma noção ainda melhor da cultura thai.

Talvez o gesto mais famoso e diferente seja o wai. Já mencionamos esse gestos em posts no Facebook, mas vamos relembrar. Ele é utilizados para cumprimentar, assim como demonstrar gratidão, desculpas e respeito. É necessário juntar as duas mãos ao peito e se curvar. Quanto mais perto do rosto as mãos estiverem, maior é o respeito demonstrado.

Mulher Tailandia Wai

Essa mesma posição das mãos, quando em frente ao colo, é o gesto utilizado durante a meditação profunda, ou samadhi. E o ato de se curvar, sem as mãos, também é utilizado bastante como símbolo de respeito, tanto por estudantes aos seus professores, quanto por qualquer um a alguém que seja mais velho. 

O respeito pelos mais velhos é uma característica forte na Tailândia, um país onde as hierarquias são enormes. Além de se curvar ser um ato realizado com frequência, sentar em uma posição mais alta que uma pessoa com mais idade que você é considerado falta de educação.

Outro símbolo bacana é o de "eu te amo", representado pelo dedão, dedo indicador e o mindinho levantados, com a mão virada para a pessoa com quem você está falando. Esse gesto também é usado na linguagem de sinais, ou Libras. Para dizer que está tudo bem ou que algo deu certo, fazemos como no Brasil, levantando o dedão e fechando os outros dedos, nosso "sinal de jóia".

Gesto - eu te amo

O sinal de V, que aqui utilizamos como paz e amor, lá é usado quando você está torcendo por alguém ou demonstrando apoio. O sinal de OK é feito com um círculo formado pelo dedão e o dedo indicador, e levantando os outros dedos. Esse mesmo gesto é usado por mergulhadores com a mesma finalidade.

Ok sinal - mergulhadores

Quando se trata de gestos incomuns ou indelicados, a diferença em relação ao Brasil é enorme. A Tailândia não é uma sociedade orientada para o toque ou contato. Dessa maneira, tocar outra pessoa, principalmente alguém de quem você não é íntimo, é algo muito grosseiro. É bom destacar o toque na cabeça, que nunca deve ser feito. Abraços e beijos não são saudações comuns, assim como o aperto de mão - a não ser para amigos muito próximos.

Na Tailândia, colocar as mãos nos quadris também é algo muito indelicado pois demonstra impaciência a quem você está se dirigindo. Olhar fixamente é considerado rude, e manter contato visual por muito tempo pode ser intimidador. Apontar para outra pessoa com o dedo também é visto como algo extremamente indelicado.

Também é muito rude utilizar os pés ou pernas para apontar, seja para pessoas, comidas ou imagens do Buda, assim como colocar os pés em mesas ou cadeiras. Sempre se tira o sapato antes de entrar em um ambiente e não se usa os pés para realizar nenhum sinal.

Como podemos ver, muitos gestos utilizados na Tailândia são apenas daquele país, ou típicos da região do sudeste asiático. Antes de ir para qualquer país, é sempre bom descobrir essas particularidades para não dar bola fora ou soar desrespeitoso. E se você não for viajar agora, sempre vale descobrir essas curiosidades culturais!


A cultura tailandesa dos Espíritos: proteção e crença (e um pouquinho de medo)

Já sabemos que a Tailândia detém uma cultura extremamente espiritualista. Aqui no blog da Calça Thai, já falamos sobre o xamanismo e sua busca pelo mundo dos espíritos. Também sobre a enorme quantidade da população que é budista e como o país é impactado por conta da religião. Diante de toda essa inclinação espiritual, um ponto se destaca: os espíritos, ou Phi, na língua thai. Intrínsecos entre as crenças dos tailandeses, os espíritos trazem proteção - mas por ser algo sobrenatural, também causam algum receio.

Budismo - Espíritos

Acredita-se que os espíritos estão por toda parte mas principalmente em algumas árvores, perto de templos e em casas abandonadas. Se você compra um terreno para construir uma casa, por exemplo, assim que sua casa estiver de pé, o próximo passo é construir a casa dos espíritos. Isso ocorre justamente porque a crença diz que os espíritos já estavam lá antes de você chegar, dessa maneira, você precisa proporcionar moradia para os mesmos. Essa casinha se encontra em quase todas as casas e prédios pela Tailândia, até mesmo em estabelecimentos comerciais e universidades, e todos os dias recebem oferendas do povo, como incensos, flores e comidas. Uma curiosidade é que é comum encontrar refrigerantes sabor morango nas casas dos espíritos, já que acredita-se que eles gostam de bebidas doces. 

Casa dos Espíritos - Fanta sabor Morango

 A crença nos espíritos é muito antiga, tendo surgido a partir de lendas do folclore local. Pouco é encontrado escrito e registrado sobre isso: a maior parte dessa cultura é transmitida pela contação de histórias entre as famílias. A mídia moderna também contribui para que essa crença se mantenha viva e seja ainda mais disseminada, já que diversas novelas e filmes tailandeses incluem espíritos em seus enredos e trazem esse ponto à tona, principalmente puxando para o terror - o que pode influenciar no nosso próximo ponto: o medo que alguns tailandeses sentem de espíritos.

Oh My Ghost! Thai Movie

Ainda que os tailandeses prezem pelo bem estar dos espíritos, sempre garantindo que eles estejam bem cuidados, muitos deles também têm medo de encontrar um espírito por aí. Tal característica pode ser influenciada por essa abordagem da mídia moderna, que na maior parte dos casos traz os espíritos como criaturas assustadoras, aterrorizantes, muitas vezes até mesmo deformadas fisicamente e causando susto em pessoas comuns. Conversando com tailandeses, é comum compartilharem histórias de tensão, como casos que eles mudaram a rota de uma viagem por acreditarem ter visto um espírito pelo caminho, ou não querendo entrar em um quarto de uma casa por acreditar que estão ouvindo ou tendo sinais da presença de um espírito, ou mesmo deixando uma cama vaga dentro do quarto, para que o espírito possa dormir.

Para quem não acredita, é difícil entender como tudo isso funciona, porque é algo que acaba se tornando muito distante do racional. Já para aqueles que têm essa crença, é algo tão normal que já está intrínseco no dia a dia: faz parte da cultura, das casas, das ruas e da sabedoria popular. Essa é mais uma parte da riquíssima cultura espiritual tailandesa - e fique ligado que sempre vem mais por aí!