Bom, bonito e justo: Calça Thai investe em ética e qualidade para prod

Bom, bonito e justo: Calça Thai investe em ética e qualidade para produzir as suas peças

04 Abril 2016

Escrito por Calça Thai

Aqui na Calça Thai fazemos calças mas também somos amantes da Tailândia e da cultura tailandesa.

Bom, bonito e justo: Calça Thai investe em ética e qualidade para produzir as suas peças

O comércio desleal ocorre quando empresas se utilizam de práticas ilícitas - como mão de obra barata, frequentemente em condições precárias - para garantir vantagens comerciais. Atraídos por preços normalmente abaixo do mercado e desconhecendo as etapas do processo de produção e exportação de itens de consumo, centenas de consumidores podem acabar por alimentar esta prática.

Costureira Calça Thai

Pensar no “outro lado” da produção barateada é uma tarefa certamente necessária: vale a pena investir em itens de preços baixos, mas de qualidade inferior, que além de tudo ainda colaboram para relações de exploração? Bons produtos, feitos por pessoas experientes e tratadas com o devido respeito, não são vendidos por centavos - se algum anúncio ou loja disser o contrário, desconfie. O comércio justo ocorre a partir do momento em que se compreende que todo processo de produção exige um custo, e em que se aceita pagar por ele.

A conscientização sobre a questão ganhou mais espaço nos últimos anos, tanto na mídia quanto nas mentes dos responsáveis por grandes iniciativas. Preocupada em estabelecer condições de trabalho dignas aos seus fornecedores, a Calça Thai posiciona-se veementemente contra a concorrência desleal e suas consequências. Defendendo o Fair trade - ou comércio justo, como conhecemos por aqui -, a empresa dedica-se a comercializar roupas originárias do norte da Tailândia, as quais são desenhadas e costuradas por artesãos da região. Este processo contribui para o fortalecimento da economia local, dando voz e oportunidade a pequenos produtores, e privilegia o surgimento de relações mais humanas, íntimas e diretas.

 

 

Alice Rosa, representante da marca, diz que a empresa tem como meta fornecer um salário justo ao tempo de serviço prestado e prezar pela saúde física e mental de todos os envolvidos na produção das peças que compõem as coleções da Calça Thai: “Os responsáveis por costurar e desenhar as nossas roupas são nativos da Tailândia, país de origem da marca. Oferecemos a eles condições de trabalho no conforto doméstico, não os afastando de suas famílias e protegendo as comunidades.pagamos com antecedência para evitar que o dinheiro dos tecidos para a produção das roupas venha de nossos artesãos”, comentou.

A Calça Thai, considerada uma startup, iniciou suas atividades no mercado brasileiro em meados de 2015. Mesmo com pouco tempo de atividade, a marca já é uma grande aposta em seu setor e destaca-se pela qualidade de seus produtos, pela beleza de suas estampas e também por conta de sua preocupação social. Além de tudo, o consumidor final não precisa se preocupar com o frete: este fica por conta da própria companhia.

Ansiosa por falar mais sobre seus valores, a Calça Thai dedicou-se a produzir e a lançar um vídeo que explicitasse as etapas do processo de criação das suas peças. Com esta iniciativa, a companhia planeja mostrar aos seus clientes e seguidores os rostos e nomes dos que confeccionam as roupas que chegam às suas mãos, demonstrando que é possível fazer comércio de forma ética e promovendo desenvolvimento recíproco. Entre as linhas e as técnicas de costura da Tailândia, há muito espaço para o respeito pelo ser humano.