Blog Calça Thai - Estilo, moda, novidades e notícias do universo Thai – tagged "religião"

Calça Thai

Conheça o Sai Sin: o Sagrado Fio Branco Tailandês

Se você vai à Tailândia com certa frequência, é bem provável que já tenha recebido pulseiras brancas em algum momento dessas viagens. Ao contrário da simplicidade que possa aparentar, essa pulseira de algodão, chamada de "Sai Sin", é repleta de significados e é sobre ela que vamos falar neste post!

O significado do Sai Sin
O Sai Sin pode ser oferecido a você por um tailandês e até mesmo um monge. Mas antes disso, saiba que a linha que compõe a pulseira foi abençoada por um monge budista. O Sai Sin dá proteção e saúde a quem o usa e sua cor normalmente é branca por representar a pureza no budismo; mas dependendo da região em que você está e da ocasião, pode ser que o Sai Sin tenha outras cores, como o vermelho. O sagrado fio branco não é usado apenas no pulso. Ao visitar um templo tailandês em um importante feriado budista, certamente você verá linhas de barbante branco ‘saindo’ das principais imagens de Buda e passando por toda a extensão do templo.

Sai Sin ligado às principais imagens de Buda passando por toda a extensão do templo
O Sai Sin em cerimônias budistas
Ele está presente em diversos ritos na Tailândia, incluindo casamentos e funerais, além de cerimônias de bênção quando alguém se muda para um novo lar. Nos casamentos tradicionais, o Sai Sin se conecta à cabeça do casal de noivos. Amigos e familiares também amarram Sai Sins nos pulsos dos noivos. Já em alguns funerais tailandeses, o fio branco pode ser visto ao redor do crematório (em três voltas) para desejar boa sorte ao falecido e proteção na próxima vida.

Em cerimônias maiores, geralmente há uma grande bola de barbante que primeiro envolve a imagem de Buda para depois ser passada aos monges. Feito isso, o fio é passado para todos os demais presentes. Nesse momento, todos estão fazendo a saudação Thai (conhecida como wai, em que as mãos estão unidas em frente ao rosto). O fio passa entre as mãos até chegar à cabeça onde é amarrado após algumas voltas, mas também pode ficar apenas ao redor dos dedos. O importante é que o fio conecte todos aos monges e à imagem de Buda. Simbolicamente, o cântico entoado pelos monges e o mérito envolvido são então transmitidos ao longo do fio, alcançando todas as pessoas presentes.

Sai Sin conectado à cabeça durante cerimônia budista
Há alguma regra de etiqueta para uso do Sai Sin?
Você não precisa ser budista para aceitar o Sai Sin. Normalmente ele é oferecido como um ato de hospitalidade, então pense nele como um amuleto da sorte se alguém quiser amarrá-lo no seu pulso. Nunca recuse o Sai Sin pois será desrespeitoso com quem está oferecendo-o a você.

Caso esteja em um templo e um monge queira amarrar o Sai Sin em torno dos seus pulsos, é educado fazer uma pequena doação, de pelo menos 20 bahtes (moeda tailandesa), em uma das caixas que estão disponíveis para isso. Uma curiosidade é que como monges e mulheres não podem se tocar, ao ver um monge prendendo o Sai Sin no pulso de uma mulher, repare como ele é cuidadoso para não encostar nela.

Como nós já te contamos, o Sai Sin carrega o mérito e a proteção como significados e ao assumir a forma de um círculo (seja em volta do pulso ou da cabeça), acredita-se que o fio tenha um poder protetor ainda mais forte por seu formato contínuo.

Sai Sin: o Sagrado Fio Branco Tailandês

Ao usar o Sai Sin, não pense que é preciso mantê-lo por meses ou esperar que ele ‘caia’. Seguindo a crença budista, você pode usá-lo por pelo menos três dias. Isso porque o três é um número muito significativo para eles por representar a Joia Tripla ou as Três Joias do budismo: Buda, Dharma (os ensinamentos de Buda) e Sangha (a vida monástica). Assim, ao usar o seu Sai Sin por esse tempo você mostrará que apreciou o presente recebido. Para removê-lo a dica fica por conta das tradições antigas que dizem que você deve desatar o fio suavemente ao invés de cortá-lo.

Loja Calça Thai


Descubra o Festival mais misterioso da Tailândia: as Bolas de Fogo de Naga

As Bolas de Fogo de Naga é aquele tipo de Festival único de se ver e que só poderia mesmo ser encontrado na Tailândia. Nele, as pessoas se reúnem ao longo de um trecho de 250 km às margens do rio Mekong (que separa o Norte da Tailândia do Laos) para observar as brilhantes bolas de fogo que são disparadas para o céu. O número de bolas pode variar entre centenas e milhares, e a responsável seria a mítica 'Phaya Nak' (ou Naga), uma serpente marinha gigante que mora dentro do rio, adormecida, e que ao acordar sopra bolas de fogo (segundo a crença popular)!

Pessoas à espera das Bolas de Fogo de Naga

 
Esse fenômeno ocorre sempre ao final ou logo após o período da 'Quaresma Budista', que normalmente acontece entre o meio/final de outubro até o início de novembro. Neste ano, o Festival será em outubro, após 13 de outubro, quando a 'Quaresma Budista' terá fim e neste post, vamos te contar a origem desse fenômeno e as possíveis explicações científicas. 

Seria Magia ou Ciência?
Como você já deve ter percebido, o fenômeno das Bolas de Fogo de Naga é um espetáculo impressionante, envolto em mito e ciência, afinal centenas de esferas vermelhas brotam da água rapidamente iluminando o céu escuro por alguns segundos antes de desaparecerem no ar. Não é à toa que esse acontecimento desperta o interesse de cientistas e moradores locais há muito tempo, cada um com sua opinião formada à respeito. Para os moradores da região, Naga acorda todos os anos na mesma época (em noite de lua cheia) para homenagear a conclusão da Quaresma Budista ou do Retiro das Chuvas, também chamado de ‘Vassa’. Há também quem acredite que esse seja o retorno de Buda em forma de Naga.

Bolas de Fogo Naga Tailandia

No budismo, hinduísmo e jainismo, os Nagas são seres metamórfos, que podem assumir a forma que preferirem: seja totalmente humana, meio serpente, meio humana ou completamente serpente. Na Tailândia, o Naga é uma rica divindade do submundo, guardião do tesouro no reino subaquático de Patala-Loka ou Naga-Loka, um lugar lindamente ornamentado com pedras preciosas. Eles também são considerados protetores de Vientiane (capital do Laos) e poderosos animais mágicos na área do rio Mekong.

Naga: serpente marinha gigante que sopra bolas de fogo

Na Tailândia, atualmente, o fenômeno é considerado um verdadeiro Festival, muito aguardado e comemorado. Multidões se reúnem soltando fogos de artifício, foguetes e balões coloridos até que as brilhantes bolas de fogo comecem a surgir da água. Cada bola é recebida com muito barulho por todos que assistem! Mas se para os habitantes locais não há dúvidas de que as luzes são sobrenaturais, para os cientistas ainda não há uma explicação exata de como as bolas de fogo se formam, embora existam algumas teorias que tentam esclarecer o fenômeno.

Teorias científicas sobre as Bolas de Fogo de Naga
Cientificamente, não há uma conclusão sobre quais fatores influenciariam no fenômeno, mas nós vamos te contar as principais teorias. A primeira delas defende que as bolas são gases pantanosos, formadas quando bolsões de metano se desenvolvem por decomposição do material orgânico localizado no subsolo do rio. Ao chegar à superfície, a bola entra em contato com o oxigênio presente no ar, resultando em uma combustão espontânea (com chamas). Outra teoria alega que é necessário um alinhamento preciso entre a Terra, o Sol e a Lua para que a combustão ocorra e que o rio Mekong fornece as condições necessárias para isso. Daí, a principal razão para o fenômeno acontecer exclusivamente na Tailândia e em uma determinada época do ano.

A terceira teoria é similar à primeira, mas para os cientistas que trabalham com essa hipótese o gás não seria metano, mas sim outro também inflamável, a fosfina (fato comprovado experimentalmente pelo Ministério de Ciência da Tailândia). No entanto, a teoria não deixa claro como o processo acontece naturalmente já que a fosfina é um gás produzido pelo homem para diversos fins industriais por meio de um processo químico cuidadosamente orquestrado. Por fim, a quarta teoria afirma que as bolas de fogo são esferas de plasma de formação livre, criadas quando a eletricidade é descarregada no rio.

Bolas de Fogo Noite

Mesmo não havendo um consenso para o fenômeno, a beleza e o misticismo do Festival permitem que as pessoas celebrem e admirem as brilhantes bolas de fogo. Sejam elas mágicas, sopradas pela serpente que acaba de despertar, ou um resultado da mistura de metano com o ar, é simplesmente incrível assistir ao fenômeno; algo tão raro e que não pode ser visto em nenhuma outra parte do mundo!
 

Loja Calça Thai


Conheça os rituais que os Monges Budistas seguem para se alimentar

A rotina dos monges budistas é algo que sempre desperta curiosidade. A forma como vivem e como seguem suas rotinas de devoção estão frequentemente em pauta nos meios de comunicação e não é para menos: com um dia a dia simples e austero, os monges se dividem entre suas tarefas, momentos de oração e busca de autoconhecimento. Já a disciplina que eles desenvolvem é fundamental para que tudo seja feito com harmonia.

Neste post, nós vamos te contar mais sobre a alimentação dos monges budistas na Tailândia: como recebem a comida, o que podem e o que não podem comer, além dos rituais que devem seguir para se alimentarem todos os dias. Confira!

 

Monges Budistas recebendo doações de alimentos
Rotina matinal dos monges budistas
Você já deve ter visto essa imagem antes: monges com suas túnicas alaranjadas, organizados em fila, com um tipo de cuia à tiracolo aguardando por alimentos. Então, para começarmos, saiba que os monges budistas (seja na Tailândia, ou em outros lugares do mundo) não podem cozinhar ou comprar alimentos. Tudo o que eles comem deve ser recebido como doação, ofertado por fiéis e seguidores do budismo.

Outro aspecto importante sobre isso, é que os monges não podem ‘estocar’ as doações de alimentos que recebem. Ou seja, a ronda que fazem por comida deve ser feita diariamente, pela manhã. Ao retornar para o templo, os monges fazem a seleção do que vão comer e planejam como vão se alimentar ao longo daquele dia. Muitos fazem apenas uma refeição, enquanto outros dividem os alimentos recebidos entre o café da manhã e a última refeição (que sempre deve acontecer antes do meio-dia).

 

O arroz é um dos alimentos que pode ser ofertado aos Monges
O que os monges budistas podem comer
Os alimentos que podem ser ofertados aos monges para a refeição matutina estão em cinco categorias: alimentos básicos (como arroz), sobremesas, alimentos secos ou em conservas, peixes e carnes. Mesmo tendo feito a última refeição até o meio-dia, os monges budistas podem comer alguns alimentos ao longo do dia, como: mel, açúcar e xarope, ghee, manteiga e queijo. Importante ressaltar que as doações de comida não precisam ser feitas em grande quantidade. O que vale é a intenção da pessoa em doar. O alimento também não precisa ter sido feito por quem está doando. Se estiver viajando pela Tailândia e quiser fazer sua doação, você pode comprar comida em estabelecimentos locais e ofertar aos monges.

Quanto às restrições alimentares, existem dez tipos de carne que os monges não podem comer: carne humana, carne de elefante, de tigre e de tigre amarelo, de leopardo, de urso, de leão, de cobra, de cachorro e de cavalo.


Os Monges Budistas só podem se alimentar por doações
Como os monges budistas devem se alimentar
Toda a refeição que o monge budista faz está sempre rodeada de devoção e respeito ao Buda. Por essa razão, antes de se alimentarem, eles oferecem a comida à imagem sagrada com cantos, reverências e orações.
Caso o alimento não tenha sido ofertado, ou tenha sido doado no dia anterior, o monge não poderá consumi-lo.

Já os alimentos que não são selecionados pelos monges nunca são descartados. Prioritariamente, freiras e crianças que ajudam nas redondezas dos templos são contemplados. Em seguida, pessoas pobres chegam para as doações que são feitas ao meio-dia. Toda e qualquer sobra é então oferecida aos cães e gatos do templo. Ou seja: zero desperdício!

Mesmo tendo familiares e conhecidos nas regiões que circundam o templo, os monges budistas não podem pedir por um determinado tipo de comida, como o prato que mais gostam. Caso alguém diga o que for levar a eles no dia seguinte, o monge também não poderá comer o alimento. Ao todo, são 30 regras sobre alimentação que os monges budistas devem seguir.


Interessante, não é?! O mais importante em conhecer essa rotina é perceber que, para os monges budistas, receber a doação de alimentos é algo muito maior do que apenas a manutenção do corpo e da saúde. Eles integram um tipo diferente de economia: a cultura de doações, em que retribuem tudo o que recebem com ensinamentos aos seus seguidores. Para os monges budistas, a doação faz parte do sentido da vida.

Loja Calça Thai


Sabe o que está estampado nas moedas tailandesas? Descubra aqui!

Talvez você já saiba que a moeda utilizada na Tailândia é o Thai Baht. Comparada ao Brasil, com 1 real você compra aproximadamente 10 Baht, sendo que o câmbio varia geralmente ficando entre 8 e 12 Baht. Mas você já procurou saber o que vem estampado nas faces das moedas?

Em um país em que a doutrina religiosa é tão forte, dominada pelo budismo, nada mais justo que homenagear os locais que representam essa cultura, que tangibilizam o espírito de paz aqui da Tailândia e que une os tailandeses: são os Templos.

Cada uma das moedas tailandesas têm um Templo em uma das faces, e todos são temples localizados na cidade de Bangkok.

Na moeda de 1 Baht, que vale quase 1 centavo de Real, vemos o Templo do Buda de Esmeralda. Ele é o Templo mais sagrado da Tailândia, ainda hoje é usado como capela do Rei e é o único onde não residem monges. Fica dentro da Capela Real, ou Wat Phra Kaew, ao lado do Grand Palace, no centro antigo de Bangkok.

Templo do Buda de Esmeralda

Já na de 2 Baht, o Templo estampado é o Golden Mount. Ele fica no Wat Saket e é da Era de Ayutthaya. Subir os degraus do Golden Mount coloca tudo em perspectiva e oferece uma vista linda da Ilha de Rattanakosin. Em novembro, um festival no Wat Saket leva uma procissão com velas até o topo do Golden Mount.  

Golden Mount

O Templo de Mármore fica com os 5 Baht. Ele fica localizado em uma região mais afastada de Bangkok e por isso recebe menos visitas que os outros; porém, por conta da sua estrutura de mármore e vitrais, além de 50 estátuas de Buda no topo, alguns dizem ser um dos templos mais bonitos do país.

Templo de Mármore

 

Por fim, a última e mais alta moeda, a de 10 Baht, o Templo do Amanhecer, ou Templo da Alvorada, conhecido em inglês como "Temple of Dawn". Ele se localiza na beira do principal Rio de Bangkok, o Chao Phraya: ao realizar um passeio de barco pelo rio, a vista do templo todo iluminado à noite é maravilhosa. 

Templo do Amanhecer

Quando vier à Tailândia, não deixe de visitar cada um deles!

*Crédito das imagens: @RatiButr

Loja Calça Thai


A cultura tailandesa dos Espíritos: proteção e crença (e um pouquinho de medo)

Já sabemos que a Tailândia detém uma cultura extremamente espiritualista. Aqui no blog da Calça Thai, já falamos sobre o xamanismo e sua busca pelo mundo dos espíritos. Também sobre a enorme quantidade da população que é budista e como o país é impactado por conta da religião. Diante de toda essa inclinação espiritual, um ponto se destaca: os espíritos, ou Phi, na língua thai. Intrínsecos entre as crenças dos tailandeses, os espíritos trazem proteção - mas por ser algo sobrenatural, também causam algum receio.

Budismo - Espíritos

Acredita-se que os espíritos estão por toda parte mas principalmente em algumas árvores, perto de templos e em casas abandonadas. Se você compra um terreno para construir uma casa, por exemplo, assim que sua casa estiver de pé, o próximo passo é construir a casa dos espíritos. Isso ocorre justamente porque a crença diz que os espíritos já estavam lá antes de você chegar, dessa maneira, você precisa proporcionar moradia para os mesmos. Essa casinha se encontra em quase todas as casas e prédios pela Tailândia, até mesmo em estabelecimentos comerciais e universidades, e todos os dias recebem oferendas do povo, como incensos, flores e comidas. Uma curiosidade é que é comum encontrar refrigerantes sabor morango nas casas dos espíritos, já que acredita-se que eles gostam de bebidas doces. 

Casa dos Espíritos - Fanta sabor Morango

 A crença nos espíritos é muito antiga, tendo surgido a partir de lendas do folclore local. Pouco é encontrado escrito e registrado sobre isso: a maior parte dessa cultura é transmitida pela contação de histórias entre as famílias. A mídia moderna também contribui para que essa crença se mantenha viva e seja ainda mais disseminada, já que diversas novelas e filmes tailandeses incluem espíritos em seus enredos e trazem esse ponto à tona, principalmente puxando para o terror - o que pode influenciar no nosso próximo ponto: o medo que alguns tailandeses sentem de espíritos.

Oh My Ghost! Thai Movie

Ainda que os tailandeses prezem pelo bem estar dos espíritos, sempre garantindo que eles estejam bem cuidados, muitos deles também têm medo de encontrar um espírito por aí. Tal característica pode ser influenciada por essa abordagem da mídia moderna, que na maior parte dos casos traz os espíritos como criaturas assustadoras, aterrorizantes, muitas vezes até mesmo deformadas fisicamente e causando susto em pessoas comuns. Conversando com tailandeses, é comum compartilharem histórias de tensão, como casos que eles mudaram a rota de uma viagem por acreditarem ter visto um espírito pelo caminho, ou não querendo entrar em um quarto de uma casa por acreditar que estão ouvindo ou tendo sinais da presença de um espírito, ou mesmo deixando uma cama vaga dentro do quarto, para que o espírito possa dormir.

Para quem não acredita, é difícil entender como tudo isso funciona, porque é algo que acaba se tornando muito distante do racional. Já para aqueles que têm essa crença, é algo tão normal que já está intrínseco no dia a dia: faz parte da cultura, das casas, das ruas e da sabedoria popular. Essa é mais uma parte da riquíssima cultura espiritual tailandesa - e fique ligado que sempre vem mais por aí!

Loja Calça Thai


A Ásia em festa: Ano Novo Thai e Holi Festival Indiano

Se tem duas coisa que a América Latina e a Ásia têm em comum são a religiosidade e a variedade de feriados e festividades: há sempre uma razão pra celebrar. Entre todos os que existem na Ásia, dois deles nos chamam a atenção - um típico da Tailândia e outro da Índia. Ambos cheios de vida, cores e muita água! Quer saber mais?

Songkran – O Ano Novo Tailandês

Songkran

Apesar da Tailândia seguir o calendário ocidental, onde o novo ano começa em Janeiro, ela sempre comemora uma outra celebração de renovação de ano, o Ano Novo Thai, ou Songkran. Ele é celebrado no mês de Abril, no dia 13, se prolongando pelos dias 14 e 15. O termo Songkran vem do sânscrito e significa "passagem astrológica", ou seja, nos remete a transformações, renovações e mudanças. A festividade é mantida no calendário solar budista e também no hinduísta. 

Na prática, a festividade se torna um feriado de quase 1 semana entre os tailandeses, e envolve muita água: por meio de guerrinhas de água espalhadas por toda a cidade, com arminhas, baldes e mangueiras, a ideia é limpar as impurezas e problemas do ano anterior, e se renovar para o ano que começa, tendo um início novo e fresco. Apesar de grande parte do comércio fechar durante esse tempo, é uma época muito interessante para se visitar a Tailândia, exalando boas energias e diversão.

Holi Festival - O Festival das Cores Indiano

Festival Holi

Também conhecido como festival do compartilhamento de amor, a Holi sempre cai entre o fim de Fevereiro e o começo de Março. A festividade se inicia com uma fogueira, que semelhante à simbologia da água no caso do Songkran, a ideia é limpar todo o mal interior, nesse caso queimando ao invés de molhando. O próximo dia é o mais conhecido mundialmente: uma "guerrinha de cores", onde os mais diferentes e vivos tons são compartilhados em formato pó e líquido, por meio de uma água tingida e colorada. A ideia é que todo mundo se pinte e se divirta, sem restrições de interação entre classes sociais, idade, gênero: durante a Holi, todo mundo é igual.

O festival, tão amado pelos indianos e hoje disseminado pelo mundo inteiro, carrega consigo várias simbologias e filosofias: a vitória do bem sobre o mal, a chegada da primavera, a gratidão pela boa safra, e também nos remete a um momento de interação, sendo uma oportunidade para conhecer ouras pessoas, se divertir e dar risada, perdoando erros, esquecendo problemas, e se acertando nos relacionamentos com outros próximos de você.

Songkran e Holi

Apesar de serem festividades diferentes, de datas e culturas diferentes, as duas possuem diversas semelhanças.

Em ambos os casos, o povo ocupa as cidades e as festas acontecem na rua, em parques e espaços públicos. Nessas épocas, todo mundo é igual: se molham juntos, se pintam juntos, se divertem juntos. As ruas enchem de gente com sorriso no rosto e arminhas ou tintas na mãos, a fim de celebrar a vida.

As duas também envolvem água, o que em ambos os casos representa a renovação. E não é só um baldinho por pessoa não: a água fica disseminada por toda a cidade e todos os participantes voltam pra casa encharcados. A Holi ainda conta com o complemento das cores, o que não ocorre no Songkran. Nesse caso, além de molhado, todo mundo volta colorido: cores neons, alegres, vibrantes. 

Ainda que as manifestações tenham bastante em comum, o que mais une os dois festivais é seu objetivo maior: a vontade de deixar o mal para trás e fazer com que o bem prevaleça. Festas lindas feitas por pessoas do bem!

Loja Calça Thai

 

 


10 semelhanças entre o Brasil e a Tailândia – Parte 1

Nossa primeira impressão sobre esses dois países, Brasil e Tailândia, é a de que eles não têm nada em comum. Afinal, eles se situam em direções quase opostas do globo; não só a língua mas o alfabeto são totalmente diferentes; o estereótipo físico das pessoas não tem nada a ver um com o outro, assim como a gastronomia e a religião.

Mas ao olhar mais de perto, descobrimos que Brasil e Tailândia têm sim muitas similaridades. Confira as semelhanças entre os dois países que compartilham o coração da Calça Thai:

1) Praias

Ko Lipe Tailandia 

A Tailândia é um país tão praieiro quanto o Brasil. E em ambos é possível encontrar praias maravilhosas. Indo desde as mais desertas e intocáveis até as mais badaladas e lotadas, os dois têm praias para todos os gostos. Se você estiver do lado oeste da costa tailandesa, conhecido como Andaman Coast, o sol se põe no lado oposto ao do Brasil. Já do lado leste, o Golfo da Tailândia, o sol se põe exatamente na mesma direção.

2) Arroz

Sticky Rice TailandiaEm termos de tempero a gastronomia tailandesa é bastante diferente pro paladar brasileiro. Mas um ingrediente muito presente nos dois países é o arroz. Assim como o brasileiro, o tailandês também come arroz em quase todas as refeições. Enquanto no Brasil preparamos com alho e cebola, aqui o arroz quase não tem tempero e o destaque fica com o sticky rice, um arroz bem grudento e um pouco mais adocicado que o normal.

3) Moto taxis

Motoboy TailandiaEsse é um meio de transporte muito típico do Brasil, principalmente em cidades grandes. Apesar de ser difícil encontrar moto taxi em outras partes do mundo, na Tailândia isso é comum, principalmente pra se locomover entre distâncias mais curtas. A diferença é que aqui, quando uma rua é contra mão, os motoboys diversas vezes dirigem pela calçada, junto dos pedestres. É bastante confuso.

4) Clima e vegetação

Flores TailandiaPor conta da localização geográfica, ambos próximos à linha do Equador, os dois países têm climas e vegetações muito semelhantes. O calor é quase constante durante o ano e não raramente as temperaturas atingem os 40 graus. Por essa razão a vegetação também é semelhante: muito verde, coqueiro e diversidade.

5) Frutas

Fruta tailandiaFalando em diversidade, outro aspecto interessante é que o Brasil e a Tailândia têm uma enorme variedade de frutas disponíveis. Ao visitar países no hemisfério norte, por exemplo, vemos que muitas frutas não são encontradas por lá. Na Tailândia, felizmente, a barraquinha de frutas é tão colorida quanto a do Brasil.

6) Ilhas

koh pipi tailandiaAs ilhas do Brasil, às vezes mais conhecidas pelos gringos do que pelos próprios brasileiros, não perdem nada para as da Tailândia. As praias azuis, a areia branquinha, a vegetação deslumbrante. Na Tailândia, não deixe de passar uns dias em Koh Phi Phi. No Brasil, separe pelo menos um feriado pra conhecer a incrível Ilha Grande, na costa do Rio de Janeiro.

7) Festa de rua

Songkran TailandiaCarnaval e festa junina, talvez as duas maiores festividades populares brasileiras, são festa que acontecem na rua. Todo mundo se mobiliza fora de suas casas e se une a diferentes tipos de gente para um só fim: celebrar.  A Tailândia também gosta disso: em abril é celebrado o Songkran, Ano Novo Tailandês. A comemoração conta com três dias de festa e é um festival de água, onde todo mundo vai pra rua equipado com suas arminhas e baldes d’água para comemorar a chegada do novo ano. A água, além de espantar o calor de 40 graus do verão tailandês, que tem seu ápice no mês de abril, também traz a simbologia de “limpar” os infortúnios do ano que acabou e começar o ano seguinte com frescor.

8) Jaca

Jaca TailandiaAo chegar na Tailândia, é comum os então moradores falarem “Você precisa experimentar uma fruta que só tem aqui chamada durian ou jackfruit.” Na verdade, o exterior da fruta é muito semelhante à nossa jaca e às vezes pode até ser confundido. Entretanto, o cheiro que exala ao se partir uma durian é muito forte, e a fruta é muito mais querida e apreciada entre os tailandeses do que os brasileiros.

9) Música ao vivo

Bar TailandiaEssa mania de ir pra um barzinho e curtir uma música ao vivo também existe na Tailândia. Diferente do Brasil, não rola um sambinha nem bossa nova. Os tailandeses compartilham uma porção de algum aperitivo bem apimentado e bebem whisky ao som de covers de suas músicas pop favoritas. Mas a ideia é a mesma: tomar um drink, ouvir boa música e socializar.

10) Religiosidade

Templo TailandiaApesar das religiões serem bastante diferentes, ambos os países são muito religiosos. A maioria de suas populações seguem uma crença: no caso da Tailândia, o budismo predomina; no caso do Brasil, o cristianismo. Os dois países seguem fortes tradições, frequentam igrejas ou templos frequentemente, têm diversas datas comemorativas religiosas. Independente da doutrina, a fé se encontra muito presente.

Gostou? As semelhanças são tantas que nem couberam aqui! Logo mais teremos a continuação desse post. Fique ligado!

Loja Calça Thai


Budismo: A principal religião na Tailândia

16 Julho 2015
8 Comentários

Escrito por Calça Thai

Aqui na Calça Thai fazemos calças mas também somos amantes da Tailândia e da cultura tailandesa.

Budismo: A principal religião na Tailândia

A religião sempre fez parte do dia a dia dos tailandeses. Não é a toa que cerca de 95% da população é praticante do budismo Theravada, que é a religião oficial do país. Ele tem como base os ensinamentos do Buda, que é conhecido também como “c” ou “nee Siddhartha Gautama”.

Leia mais →