Blog Calça Thai - Estilo, moda, novidades e notícias do universo Thai – tagged "consumo"

Calça Thai

Zero Baht Shop: conheça uma iniciativa social inspiradora!

Como sempre mostramos para vocês, aqui na Calça Thai prezamos pelo comércio justo, pela justiça nas nossas relações e pela consciência socioambiental. Já contamos sobre lojas online que admiramos, já fizemos parceria com um projeto incrível que fomenta o plantio de árvores no mundo, já até recebemos o selo Site Sustentável, que garante que compensemos toda emissão de gás carbônico do nosso site por meio do plantio de árvores na Mata Atlântica. Diante de tudo isso, sempre ficamos antenados no que tem rolado no mundo em termos de inovação social e responsabilidade ambiental. Durante nossas buscas, encontramos e visitamos um projeto muito bacana localizando em uma região periférica de Bangkok - é a Zero Baht Shop.

Zero Baht Shop

A capital e maior cidade da Tailândia possui mais de 6 milhões de habitantes, quase 10% do total de pessoas que vivem no país asiático. Toda essa gente consumindo produtos e alimentos todos os dias promovem uma quantidade enorme de lixo. Hoje em dia, o lixo é um dos maiores problems que o país enfrenta: muito consumo e pouco descarte realizado corretamente, principalmente do plástico, um dos materiais mais ofensivos ao meio ambiente, já que sua decomposição é extremamente demorada. 

Além disso, com o rápido crescimento econômico do país, o custo de vida tailandês está aumentando a cada ano. Para sobreviver a essa situação, as pessoas usam diferentes estratégias para transformar seu estilo de vida de modo que consigam economizar dinheiro, se adaptar à economia de suficiência, filosofia desenvolvida pelo Rei, e incrementar sua renda. Entretanto, para as classes mais baixas, é difícil lidar com toda a mudança socioeconômica pela qual o país passa. Os que mais sofrem são aqueles nas áreas urbanas mais pobres, como favelas e periferias. Geralmente essas pessoas conseguem suas rendas por atividades rentáveis diárias, ou seja, vender comida nas ruas ou coletando lixo.

Zero Baht Shop

Diante nesse cenário, uma comunidade de Bangkok, localizada no bairro de On-Nut, nos chamou a atenção pelas suas práticas que fazem a diferença na sua situação econômica mais inferior. Essa comunidade se constitui por 20 grupos que se mudaram de diferentes pontes no ano de 2001 por conta de políticas governamentais determinadas por autoridades tailandesas. Tais autoridades prepararam áreas com facilidades básicas, como eletricidade, suprimento de água, ruas pavimentadas e esgoto tratado. Já a parte da construção das casas era papel dos próprios membros da comunidade, que trouxeram materiais e mão de obra para construir suas moradias. 

No início, 155 famílias ocuparam a região. Hoje esse número já supera os 200. Todas essas famílias têm baixa renda mensal e se esforçam diariamente para terem uma melhor qualidade de vida. Tendo em vista essa situação, em 2004, quatro membros representantes da comunidade coletaram fundos e resolveram iniciar um empreendimento que envolveria quase todos os membros e traria uma melhora no seu dia a dia. Foi aí que surgiu a Zero Baht Shop: Baht é a moeda tailandesa, portanto, Zero Baht Shop quer dizer algo semelhante a "loja com zero dinheiro". Mas como assim uma loja que não se usa dinheiro?

A comunidade em On-Nut montou um projeto capaz de dar suporte para bolsas escolares de crianças e adolescentes, assistência médica e despesas para funerais, além de bens de consumo não duráveis básicos, vendidos em um mercadinho. Eles levantam fundos para esses serviços e produtos coletando 1 Baht por dia de cada membro da comunidade - mas isso não é feito por meio do dinheiro, e sim por meio do lixo: o próprio lixo é a moeda de troca.

A lógica é a seguinte: todos os dias, membros da comunidade vão até o estabelecimento da Zero Baht Shop para trazer materiais recicláveis. A loja se responsabiliza por separar esse lixo e fornecer para uma empresa privada de reciclagem. Com o dinheiro da venda do lixo, os responsáveis pela Zero Baht Shop bancam para a comunidade os serviços acima citados, assim como mantém ativo o mercado com produtos básicos. 

Durante as imersões de visitantes externos que vão conhecer o projeto, como nossa equipe realizou, é possível que você converse com as famílias, conheça a loja, receba uma palestra do fundador e mesmo dê uma volta na comunidade para ver como eles recolhem e posteriormente como separam o lixo. Dessa maneira, além de entender a teoria, é possível ter uma experiência prática de como o projeto realmente funciona.

Além de ir ao encontro do problema econômico, a iniciativa também influencia uma questão ambiental e sanitária, amenizando o problema de lixo na região. Outro ponto muito importante é a questão do pertencimento e da confiança em grupo, ou seja, essa iniciativa funciona como um elo de ligação entre membros da comunidade, oferecendo um lugar seguro, saudável e amigável para que essas famílias se desenvolvam e prosperem.

Zero Baht Shop

Hoje eles recebem visitas de pessoas de diversas áreas da Tailândia e mesmo de outras partes do mundo, visando replicar a iniciativa em outras regiões. O resultado visível faz com que os membros acreditem que seus esforços tragam um impacto positivo na sociedade, além de motivá-los a irem sempre além. E claro, servem de inspiração para nós da Calça Thai e para todos que de alguma maneira conhecem esse projeto. 


Descubra a moda consciente com o movimento Slow Fashion

Movimento Slow

Há alguns anos tem surgido um movimento que caminha em sentido oposto à aceleração da rotina, à descartabilidade dos produtos e à velocidade dos nossos relógios, cada vez mais rápidos. É o Slow Movement (movimento lento) ou Slow Life (vida lenta). Ele preza pela sustentabilidade, pelo bem estar e seus seguidores têm uma característica em comum: a vontade de levar a vida em um ritmo mais tranquilo e consciente.

Uma das principais e mais conhecidas manifestações do Slow Movement se deu  no mundo da moda: o Slow Fashion. Ele é vai na contramão do conhecido fast fashion, conceito de grandes marcas varejistas, onde coleções são lançadas constantemente a preços baixos, com consumidores estimulados a comprar sempre, impulsivamente e, muitas vezes, mais do que precisam. Esse consumo exagerado tem seu preço: é refletido em condições de trabalho às vezes desumanas e na exploração excessiva de recursos naturais.

O Slow Fashion surge em um cenário que busca o retorno ao equilíbrio, onde a indústria da moda não comprometa o meio ambiente nem o bem estar das pessoas e produza peças mais duráveis e atemporais. Carl Honore, autor do livro “In Praise of Slowness” (intitulado “Devagar” no Brasil), diz que a abordagem slow nos encoraja a fazer tudo no seu tempo para garantir a qualidade da produção, para dar mais valor a uma peça e para contemplar sua conexão com o meio ambiente.


Slow Fashion BrasilHá uma preocupação constante com toda a cadeia produtiva - social, econômica e ambientalmente, não deixando de lado a produtividade e rentabilidade do negócio. Esse cuidado é refletido em cada composto relativo ao produto final: nos materiais utilizados pra confecção das peças, no design, nas condições de trabalho dos produtores, no método de entrega, na estratégia de posicionamento e branding e nos conteúdos que a marca produz nos seus canais.

Na Suécia, alguns pesquisadores participantes de um programa de liderança estratégica por meio da sustentabilidade cunharam um guia para inserir valores do Slow Fashion em um negócio:

 

 

  • ter ideia do todo (todos conectados em um grande sistema ambiental e social);
  • reduzir o consumo (a produção em sintonia com o ritmo dos recursos naturais);
  • prezar pela diversidade (ecológica, social e cultural);
  • respeitar as pessoas (tratamento justo aos trabalhadores e consumidores);
  • reconhecer as necessidades humanas (oferecer moda com conexão emocional, contando uma história, convidando o consumidor para ser parte do processo);
  • criar conexões e relações (colaboração e co-criação);
  • resourcefulness (utilização consciente de recursos e suporte ao desenvolvimento de negócios e habilidades locais); 
  • garantir qualidade e preocupação estética (longevidade e estilo das peças);
  • garantir rentabilidade (sustentabilidade financeira e competitividade com o mercado);
  • praticar atitudes conscientes (agir responsavelmente, fazendo a diferença de maneira inovadora).


Aqui no Calça Thai também acreditamos que esse é o caminho para se fazer moda de maneira sustentável, sempre prezando a produção de peças confortáveis, estilosas e de qualidade. E tudo isso é reflexo do que nossos clientes também buscam e acreditam.

Na prática, incorporamos o slow fashion em diversos detalhes do nosso cotidiano. Prezamos por valores consistentes de comércio justo, onde todos os envolvidos na produção, no gerenciamento e nas vendas são tratados igualmente, com respeito e cuidado, desde os costureiros até os clientes.

Comercio justo calça thai
Com o objetivo de garantir que nossa cadeia funcione de maneira ética e justa, trabalhamos lado a lado dos produtores, supervisionando todo o processo de produção, embalagem e envio, feito por nós mesmos, sem a contratação de terceiros. Para que isso possa acontecer, pedimos que nossos clientes aguardem pacientemente a entrega dos nossos produtos, que leva entre 15 e 30 dias, apesar de sabermos que eles estão acostumados a entregas de um dia para o outro comprando de multinacionais. A espera e o processo lento e cuidadoso tornam a produção ética uma realidade.

Além disso, inserimos o retorno dos clientes no nosso processo de inovação. Ao mesmo tempo que acreditamos no nosso trabalho, queremos o feedback dos clientes para que nossos produtos sejam cada vez mais próximos do que eles procuram. Calças de cores lisas e modelos masculinos são resultado desses feedbacks.

Também garantimos que tradições e habilidade locais sejam mantidas, conectando a produção de comunidades rurais com mercados aos quais eles dificilmente teriam acessos, como o Brasil, sem perturbar seu estilo de vida. Utilizamos nosso conhecimento sobre os dois países e culturas para gerarmos novas oportunidades e pontes antes inexistentes.

Por fim, além de apenas vendermos roupas, buscamos apoiar e destacar a cultura tailandesa por meio do nosso blog, nossas redes sociais e outros canais de conteúdo, sempre oferecendo uma troca de culturas relevante e enriquecedora.

Nossos clientes satisfeitos e engajados são o resultado de uma indústria da moda mais justa e consciente. O slow fashion veio pra ficar e o Calça Thai abraça esse movimento todos os dias.