Blog Calça Thai - Estilo, moda, novidades e notícias do universo Thai – tagged "comercio justo"

Calça Thai

Entenda a entrega de compras internacionais e porque alguns pedidos demoram mais

Realizar compras vindas de fora do Brasil pode representar tanto uma enorme praticidade para consumir diversos itens e tipos de produto que queremos, quanto um grande estresse. Isso ocorre porque o processo de entrega internacional tem diversas etapas e pode ser lento, independente da empresa de quem você estiver comprando tal produto. Vamos explicar melhor porque isso acontece, não apenas em relação a nós da Calça Thai, mas entre qualquer loja ou site.

Assim que o remetente deixa uma recomenda em um serviço postal, seja ele qual for, essa encomenda vai para um navio ou avião - mas antes de chegar no seu país de destino, esse meio de transporte pode fazer diversas paradas pelo caminho, deixando alguns pedidos e recolhendo outros. Chegando no Brasil, as encomendas vão para as alfândegas, que são concentradas em três localidades distintas: Curitiba, São Paulo e Rio de Janeiro. No caso da Calça Thai, todas as encomendas vão para Curitiba.

Alfândega

O próximo passo é a Unidade de Tratamento Internacional. É nesse momento que os fiscais decidem quais encomendas serão taxadas, e isso é definido por amostragem. O que isso significa? Eles escolhem uma porcentagem das encomendas para serem abertas e analisadas - dessas, uma pequena porcentagem é taxada. Com as peças Calça Thai é raro isso acontecer. Na maior parte dos casos nossas encomendas chegam a casa dos consumidores sem taxação, e caso isso aconteça, nós nos comprometemos em reembolsar o valor cobrado. Se uma encomenda é selecionada em tal amostragem, isso já aumenta em torno de 1 mês o tempo da entrega. Se a sua encomenda estiver demorando muito mais para chegar, provavelmente ela foi uma das escolhidas.

Agora que a encomenda foi liberada pela alfândega ela está liberada para ir para os Correios e ser entregue até sua casa. Porém, no caso desses pedidos que são taxados, os Correios vão ligar para seu telefone e pedir que você recolha seu pedido em alguma unidade próxima a você, para pagar a taxa e retirá-lo. Em qualquer outro caso, os próprios Correios já deixarão seu pedido no seu endereço.

Entrega Correios

Entendeu melhor sobre todo esse processo? Mesmo podendo ser desafiador, na maioria dos casos os produtos chegam no tempo estimado, e é importante que você não desanime de fazer compras internacionais só por conta desses possíveis atrasos. Agora que você já entendeu melhor sobre o processo geral de entrega que afeta qualquer empresa, entenda mais sobre as especificidades aqui da Calça Thai.

Um ponto que sempre destacamos em todos nossos canais de comunicação é o fato de que produzimos todas nossas peças localmente, no norte da Tailândia. Isso permite que a gente garanta a utilização de mão de obra local, mantendo as tradições tailandesas, movimentando a economia de regiões rurais do norte do país e ainda possibilita que nossos produtores e artesãos consigam realizar seu trabalho perto de suas famílias.

Isso tudo faz parte da nossa política de Comércio Justo, a qual está na essência da Calça Thai desde o dia em que essa loja online de calças tailandesas foi idealizada. E essa obrigatoriedade de se produzir localmente tem relação total com o processo de entrega de nossos produtos.

Norte tailandês

Todas nossas peças são desenvolvidas e produzidas nos arredores de Chiang Mai. A capital espiritual da Tailândia, como é conhecida, fica em uma região montanhosa e é cercada por pequenos vilarejos. Trabalhamos com artesãos e produtores locais que possibilitam que nossas peças sejam confeccionadas. Uma vez que as peças estão finalizadas, elas ficam disponíveis em estoque. Sempre que alguém faz uma compra no Brasil, aqui na Tailândia nossa equipe seleciona a peça, prepara, empacota, confere o endereço de destino e então posta no serviço postal local, o Thailand Post.

No momento em que o pedido for postado, seu código de rastreamento será enviado por email. Na aba Rastreamento, dentro do nosso site, é possível que você acompanhe o processo de entrega do seu pedido, por meio de uma ferramenta que utiliza dados vindos direto dos Correios. É só você acessar a página Rastreamento para entender onde seu pedido está, ou em qual etapa do processo de entrega ele se encontra.

Uma vez que pedidos são entregues à loja de serviço posta mais próximo da nossa produção, precisamos que o serviço seja feito no tempo certo para que sua Calça Thai chegue até a sua casa na estimativa de entrega anunciada por nós, ou seja, levando entre 15 e 45 dias. Na maioria dos casos, as peças chegam no tempo estipulado, e muitas vezes até antes. Porém, há alguns casos em que as peças demoram mais para chegar, como explicamos acima. Geralmente esse problema ocorre em épocas comemorativas, por exemplo próximo às festas de fim de ano, Natal e Ano Novo, e também em épocas de greves, que são bastante comuns no Brasil. Quando esse tipo de situação acontece, dependemos da normalização do serviço de entrega dos Correios para que o atraso seja resolvido.

Com ou sem atrasos, assim que a encomenda tiver sido liberada da alfândega ela será entregue na sua casa. Depois disso é só aproveitar sua Calça Thai. 


Zero Baht Shop: conheça uma iniciativa social inspiradora!

Como sempre mostramos para vocês, aqui na Calça Thai prezamos pelo comércio justo, pela justiça nas nossas relações e pela consciência socioambiental. Já contamos sobre lojas online que admiramos, já fizemos parceria com um projeto incrível que fomenta o plantio de árvores no mundo, já até recebemos o selo Site Sustentável, que garante que compensemos toda emissão de gás carbônico do nosso site por meio do plantio de árvores na Mata Atlântica. Diante de tudo isso, sempre ficamos antenados no que tem rolado no mundo em termos de inovação social e responsabilidade ambiental. Durante nossas buscas, encontramos e visitamos um projeto muito bacana localizando em uma região periférica de Bangkok - é a Zero Baht Shop.

Zero Baht Shop

A capital e maior cidade da Tailândia possui mais de 6 milhões de habitantes, quase 10% do total de pessoas que vivem no país asiático. Toda essa gente consumindo produtos e alimentos todos os dias promovem uma quantidade enorme de lixo. Hoje em dia, o lixo é um dos maiores problems que o país enfrenta: muito consumo e pouco descarte realizado corretamente, principalmente do plástico, um dos materiais mais ofensivos ao meio ambiente, já que sua decomposição é extremamente demorada. 

Além disso, com o rápido crescimento econômico do país, o custo de vida tailandês está aumentando a cada ano. Para sobreviver a essa situação, as pessoas usam diferentes estratégias para transformar seu estilo de vida de modo que consigam economizar dinheiro, se adaptar à economia de suficiência, filosofia desenvolvida pelo Rei, e incrementar sua renda. Entretanto, para as classes mais baixas, é difícil lidar com toda a mudança socioeconômica pela qual o país passa. Os que mais sofrem são aqueles nas áreas urbanas mais pobres, como favelas e periferias. Geralmente essas pessoas conseguem suas rendas por atividades rentáveis diárias, ou seja, vender comida nas ruas ou coletando lixo.

Zero Baht Shop

Diante nesse cenário, uma comunidade de Bangkok, localizada no bairro de On-Nut, nos chamou a atenção pelas suas práticas que fazem a diferença na sua situação econômica mais inferior. Essa comunidade se constitui por 20 grupos que se mudaram de diferentes pontes no ano de 2001 por conta de políticas governamentais determinadas por autoridades tailandesas. Tais autoridades prepararam áreas com facilidades básicas, como eletricidade, suprimento de água, ruas pavimentadas e esgoto tratado. Já a parte da construção das casas era papel dos próprios membros da comunidade, que trouxeram materiais e mão de obra para construir suas moradias. 

No início, 155 famílias ocuparam a região. Hoje esse número já supera os 200. Todas essas famílias têm baixa renda mensal e se esforçam diariamente para terem uma melhor qualidade de vida. Tendo em vista essa situação, em 2004, quatro membros representantes da comunidade coletaram fundos e resolveram iniciar um empreendimento que envolveria quase todos os membros e traria uma melhora no seu dia a dia. Foi aí que surgiu a Zero Baht Shop: Baht é a moeda tailandesa, portanto, Zero Baht Shop quer dizer algo semelhante a "loja com zero dinheiro". Mas como assim uma loja que não se usa dinheiro?

A comunidade em On-Nut montou um projeto capaz de dar suporte para bolsas escolares de crianças e adolescentes, assistência médica e despesas para funerais, além de bens de consumo não duráveis básicos, vendidos em um mercadinho. Eles levantam fundos para esses serviços e produtos coletando 1 Baht por dia de cada membro da comunidade - mas isso não é feito por meio do dinheiro, e sim por meio do lixo: o próprio lixo é a moeda de troca.

A lógica é a seguinte: todos os dias, membros da comunidade vão até o estabelecimento da Zero Baht Shop para trazer materiais recicláveis. A loja se responsabiliza por separar esse lixo e fornecer para uma empresa privada de reciclagem. Com o dinheiro da venda do lixo, os responsáveis pela Zero Baht Shop bancam para a comunidade os serviços acima citados, assim como mantém ativo o mercado com produtos básicos. 

Durante as imersões de visitantes externos que vão conhecer o projeto, como nossa equipe realizou, é possível que você converse com as famílias, conheça a loja, receba uma palestra do fundador e mesmo dê uma volta na comunidade para ver como eles recolhem e posteriormente como separam o lixo. Dessa maneira, além de entender a teoria, é possível ter uma experiência prática de como o projeto realmente funciona.

Além de ir ao encontro do problema econômico, a iniciativa também influencia uma questão ambiental e sanitária, amenizando o problema de lixo na região. Outro ponto muito importante é a questão do pertencimento e da confiança em grupo, ou seja, essa iniciativa funciona como um elo de ligação entre membros da comunidade, oferecendo um lugar seguro, saudável e amigável para que essas famílias se desenvolvam e prosperem.

Zero Baht Shop

Hoje eles recebem visitas de pessoas de diversas áreas da Tailândia e mesmo de outras partes do mundo, visando replicar a iniciativa em outras regiões. O resultado visível faz com que os membros acreditem que seus esforços tragam um impacto positivo na sociedade, além de motivá-los a irem sempre além. E claro, servem de inspiração para nós da Calça Thai e para todos que de alguma maneira conhecem esse projeto. 


INFOGRÁFICO | Comércio Justo X Grandes Multinacionais: quais as diferenças?

Já passou pela sua cabeça que realizar suas compras a partir de uma loja baseada em comércio justo e a partir de grandes multinacionais acarreta em diferenças em diversos aspectos? Diferente do que podemos imaginar, nossas roupas não são todas produzidas da mesma forma. Desde a origem dos produtos, o design, até o produto final e mesmo o que ocorre depois, há grandes diferenças quando se considera uma empresa independente e uma grande companhia. Venha entender melhor.

Comparações entre negócios

Origem

Quando compramos de grandes produtores, é difícil saber de onde aquele produto realmente vem. Geralmente essas empresas utilizam matérias primas de diferentes fontes, e nem sempre a cadeia de produção é confiável. Um estudo da USFIA (United States Fashion Industry Association) diz que 100% das empresas que têm menos de 100 funcionários tem sua produção terceirizada em 1, 2 ou 3 países apenas, enquanto grandes empresas com mais de 1000 funcionários chegam a lidar com mais de 20 países diferentes. Várias questões podem surgir, como utilização de recursos que prejudicam o meio ambiente, que são de baixa qualidade, ou mesmo que vêm de fontes duvidosas.

Tratando-se de pequenas lojas, é mais fácil saber de onde exatamente os recursos vêm, sendo mais simples ter controle do residual deixado pelo produto que você está adquirindo.

Comercio justo infografica

 

Volume produzido

No caso de multinacionais, os volumes são enormes. Essas empresas têm lojas por todo o mundo e precisam suprir demandas de diversos países. Para lojas menores, baseadas em comércio justo, volume vem em segundo plano. Primeiro, o foco é oferecer um produto de alta qualidade, prejudicando o mínimo possível o meio ambiente e tendo uma cadeia produtiva limpa e consciente.

Multinacional x Comércio Justo: Volume

Métodos de Produção

Quando produzidos em grande quantidade, a automatização é a maior possível. Não apenas pela quantidade, mas também pela necessidade de agilizar o processo e otimizá-lo, fazendo mais no menor tempo. Por outro lado, quando a produção é realizada em pequena escala, é possível ter um processo mais manual, muitas vezes até mesmo artesanal, com foco na qualidade, duração e o detalhes de um produto. 

Multinacional x Comércio Justo: Produção

Preço

Se você está focado na economia, esse é um dos pontos que pode pesar na hora de se comprar de um comércio justo. Grandes companhias, que produzem em grande escala, geralmente são capazes de cobrar menos por seus produtos, a não ser que tenham um posicionamento premium. Isso ocorre porque conseguem manter seus custos menores. No caso de pequenas lojas que têm uma produção reduzida, os custos acabam sendo maiores e precisam ser repassados aos consumidores. Segundo a USFIA, o fator que mais afeta o custo de produção é o custo do trabalho, ou seja, da mão de obra. Ele é seguido pelo custo de matéria prima, envio e por último o custo associado a políticas e regulações do comércio.

Multinacional x Comércio Justo: Preço

Processos terceirizados

Quanto menor a loja, maior a tendência de realizar todos os processos dentro dela, desde design até entrega e serviço ao consumidor. Isso garante maior controle e padronização de qualidade por parte da empresa.

Quando se trata de empresas maiores, muitos dos processos são terceirizados: produção, finalização, entrega, atendimento, dependendo de cada empresa.

E pra onde vai o seu dinheiro?

Essa é uma questão delicada. Em termos de transparência, a Fashion Revolution realizou uma pesquisa com 40 grandes marcas e apenas cinco delas disponibilizam informações abertas sobre o primeiro nível da sua cadeia de produção. Vinte e quatro dizem que realizam o rastreamento e acompanhamento mas não divulgam as informações e doze não acompanham nem publicam nada. Para a maioria das multinacionais, quase nada do lucro fica na cadeia de produção, sendo que a maior parte fica com os próprios donos, investidores e alto escalão da empresa. As empresas garantem pagar os serviços ou recursos utilizados durante o processo de produção, mas o lucro fica concentrado nas mãos de poucos. 

No caso do comércio justo, a ideia é que todas as partes do processo de produção sejam beneficiadas. Não necessariamente o lucro será dividido entre todos, mas as proporções são mais justas, de modo que todos os envolvidos recebam salários honestos e que o lucro final que fica com a empresa não seja tão discrepante do resto. 

Objetivos dos negócios

Quando falamos de comércio justo, mais do que oferecer um serviço ou um produto, também oferecemos um conceito: uma cadeia produtiva consciente, responsável, limpa e aberta. Sendo assim, o objetivo vai além do produto final, ou seja, além de fazer dinheiro ou montar um negócio, no comércio justo há uma grande preocupação social e ambiental por trás do produto ou serviço final. A ideia é que negócios possam impactar positivamente as vidas de todos os envolvidos. 

Claro que há multinacionais que também têm tais preocupações, porém casos como esse são mais difíceis de ser encontrados. Todos nós já nos deparamos com escândalos de grandes empresas, principalmente no setor têxtil e fashion, que oferecem péssimas condições de trabalho para seus funcionários, às vezes até mesmo ilegais. Na grande parte dos casos, o objetivos dessas empresas é maximizar seu lucro, oferencendo produtos de baixa qualidade - que serão substituídos em pouco tempo -, e de baixo custo - o que é refletido numa cadeia de produção nem sempre honesta.

Multinacional x Comércio Justo: Objetivos

 

Vale ressaltar que não estamos pregando o vilão e o mocinho. Podemos encontrar tanto uma multinacional fazendo um trabalho justo e limpo, quanto um empresa pequena tendo práticas indevidas. Porém, quando se trata de empresas que se focam no comércio justo, a ideia é exatamente promover a consciência dentro do negócio - e a Calça Thai caminha sempre com essa essência!

Infográfico: Comércio Justo x Grandes Multinacionais


5 lojas inspiradoras: explore o ecommerce social

De vez em quando nos deparamos com lojas e iniciativas que chamam nossa atenção e se conectam com nossa essência, seja pelo conceito, seja pela transparência, seja pela inovação. A maioria delas também faz parte do mundo da moda e do vestuário e tem fortes razões de ser, ou seja, elas deixam bem claro que existem por uma razão que vale a pena ser compartilhada. Confira algumas de nossas preferidas!

1. Insecta Shoes

Insecta Shoes

"Insecta Shoes são sapatos ecológicos e veganos, produzidos no Brasil. Transformamos em sapatos peças de roupa vintage, além de garrafas de plástico recicladas. Os mais diversos tecidos e estampas daqueles modelitos abandonados no passado viram botas, oxfords, sandálias e slippers veganos, sem nenhum uso de matéria-prima de origem animal."

A Insecta nasceu no Sul do Brasil, em Porto Alegre, no ano de 2014. Desde então vem produzindo sapatos unissex feitos a partir de roupas de brechós garimpadas à mão e garrafas plásticas, além de outros materiais necessários para a estrutura do sapato. Todo o conceito da Insecta se baseia no reaproveitamento - e o resultado final é lindo!

2. PP Acessórios

 

PP Acessórios

"A PP é uma marca incentivadora da transformação social, trabalhando o couro excedente da indústria calçadista da forma mais pura: cru e com acabamento a fio, em um processo totalmente sustentável. Tiramos os excessos, deixamos o essencial, verdadeiro."

Também de Porto Alegre, a PP produz bolsas de couro reaproveitando material não utilizado e evitando ainda mais envio de lixo tóxico para a natureza. Sustentável, feita à mão e com foco na qualidade, o estoque é renovado a toda semana e cada peça é única. 

3. Tiê 

Tiê

"Moda feminina, masculina e acessórios de muito bom gosto, e que ainda estão em harmonia com um futuro melhor para todos nós. Assim surgiu, há alguns anos, a ideia de colocar tudo isso em prática, assim surgiu a Tiê." 

Essa loja quer retratar a pluralidade cultural no Brasil por meio de uma produção que agride o mínimo possível o ambiente. Ela utiliza materiais reciclados, orgânicos ou de manejo. Foca-se em roupas, mas vende também calçados e acessórios para homens e mulheres.

4. Green Co.

Green Co.

"Temos o compromisso em desenvolver produtos que surpreendam nossos clientes. Cada linha de produtos Green Co. é desenvolvida buscando atender diferentes perfis e estilos, satisfazendo desejos e necessidades dos consumidores mais exigentes. O conforto proporcionados pelos produtos estão aliados a qualidade e acabamento impecáveis."

O foco da loja Green Co. é produzir roupas, acessórios e calçados a partir de matérias primas recicláveis e tecnológicas. O tripé em que a criação de seus produtos se baseia é composto por estilo, qualidade e consciência ambiental. Além de loja online, a Green Co. conta também com lojas físicas e sistema de franquia.

5. Lucid Bag

Lucid Bag

Já ouviu falar de guarda-roupa coletivo? A gente explica melhor!

"Sabe aquele dia que você olha para seu armário cheio de roupas e parece que nada mais te interessa, combina ou cai bem? E se você pudesse ter acesso ao guarda-roupa de muitas mulheres para pegar uma peça emprestada sempre que tivesse vontade de usar algo diferente? Essa é a proposta do Lucid Bag guarda-roupa coletivo, uma comunidade de empréstimos, aluguel e trocas de roupas e acessórios."

A Lucid Bag aposta na ideia da colaboratividade para que as mulheres possam ampliar a variedade de roupas nos seus guarda-roupas sem necessariamente ter que comprar um nova peça, impactando no menor consumo e consequentemente menor produção. Qualquer pessoa pode tentar participar e a decisão final é baseada no potencial de circulação das peças. 

----

E aqui na Calça Thai?

Fazemos parte desse movimento e adoramos ver outras startups e lojas que querem transformar o ecommerce no Brasil, por meio de negócios autênticos e conscientes. Criando uma rede de apoio e admiração, podemos compartilhar ideias limpas, inovadoras e impactar o crescimento de negócios com foco social. 

 


    O real custo de produção de uma loja de comercio justo

    Aqui na Calça Thai falamos muito sobre práticas de comércio justo -  que envolvem a produção responsável, e slow fashion – movimento pela moda consciente. Também falamos muito sobre sermos uma empresa autêntica e uma marca de personalidade forte, que caminha e cresce seguindo à risca os princípios nos quais acreditas e se adaptando constantemente para melhor impactar o mundo e traz conforto e satisfação aos nossos clientes. Considerando todas essas crenças e práticas, um fator que tem extrema importância pra equipe da Calça Thai é a transparência.

    Transparência, em termos comerciais, quer dizer adotar uma política de custos justos e abertos. O que exatamente isso significa? Queremos que vocês, clientes, entendam porque nossos produtos custam o quanto eles custam e qual porcentagem do que vocês pagam vão pra cada etapa do processo de produção. Acreditamos que essa é uma maneira de trazer para a prática nossas crenças e princípios, de modo que possamos construir uma empresa real, honesta e autêntica.

    Nesse infográfico abaixo, é possível entender exatamente como nossos custos são quebrados e repassados para o preço final das peças:

    Calça Thai infográfico comercio justo

    Como se pode imaginar, cada modelo apresenta suas particularidades e esses custos sofrem pequenas alterações de acordo com a peça, mas essa é uma média real que traz uma ideia honesta de como o preço final é estabelecido.

    A partir da imagem, podemos ver que os maiores custos dizem respeito à produção em si, seguidos da postagem. Em relação à produção, esse valor é mais alto do que a média das empresas no mesmo setor porque garantimos que seguimos práticas trabalhistas justas: que todos nossos funcionários recebam salários dignos e acima da média nacional, que nenhum menor de 18 anos esteja envolvido na produção, que mulheres recebam as mesmas oportunidades que homens, que os salários sejam pagos antecipadamente para garantir que nenhuma costureira ou designer se endividem comprando materiais e que a produção seja realizada localmente, promovendo tradições tailandesas e incrementando a renda de áreas rurais.

    Quanto à postagem, apesar de os clientes não precisarem pagar uma taxa a mais pelo frete, esse valor está incluso nos custos aos quais temos com que arcar – essa é a razão pela qual algumas das peças custam mais que R$100, pois o peso acima da média de algumas peças pode aumentar o custo da postagem.  

    O custo de marketing representa 8% do preço total. Ele engloba todos nossos custos com redes sociais e mídia, mas promoções também são parte disso: qualquer desconto que oferecemos entram na conta com custos relativos ao marketing. Despesas bancárias e impostos são responsáveis por 10% do preço final. Esse custo é relativamente alto porque temos operações em diferentes regiões do mundo e gerenciamos diferentes câmbios e moedas, realizando transferências frequentes, o que faz com que acabemos pagando altas taxas para bancos. Custos menores, mas também importantes, ficam com embalagem, imposto corporativo e, por fim, a margem de lucro, que inclui custos operacionais do dia a dia, assim, como salários da equipe da Calça Thai.

    Por meio da transparência de custos que trazemos aqui, esperamos que todos vocês compreendam de fato o modelo de negócios da Calça Thai e nosso desejo de sermos sempre abertos e honestos, causando impacto positivo no nosso mundo. Acreditamos que fazer negócio não diz respeito apenas a fazer dinheiro: essa, sem dúvida, é uma parte essencial do processo – mas muito mais que isso, fazer negócios é criar oportunidades de trabalho e expressão; é unir tradições e promover o intercâmbio de culturas; e é concretizar ideais por meio de calças artesanais, expressando nossa filosofia em peças cheias de qualidade, estilo e alto astral, feitas para acompanhar sua jornada de vida.


    Entender a Cadeia Produtiva por trás do que compramos: descubra porque isso é tão importante

    Cadeia Produtiva

    Quando um produto chega até nossas mãos, seja porque compramos em alguma loja física ou porque foi entregue direto na nossa casa, raramente pensamos em como ele chegou até lá. Quais matérias primas utilizaram e de onde elas vieram? Como foi produzido? Quem participou da produção? Como foi transportado até nós?

    As perguntas, que parecem simples, são geralmente ignoradas pela maioria de nós. Elas fazem parte do processo conhecido como Supply Chain, ou Cadeia Produtiva, ou ainda Cadeia de Fornecimento: o conjunto de etapas de um processo para se obter um produto final.

    Compreendendo essas etapas, conseguimos entender se uma empresa que se diz consciente social e ambientalmente realmente preza por uma produção responsável ou se realiza o que é conhecido como “greenwashing”,  ou seja, quando uma empresa gasta mais esforços transmitindo uma imagem sustentável do que de fato implementando práticas que minimizam o impacto ambiental. Essa é a principal razão pela qual compreender a Cadeia Produtiva do que consumimos é tão importante: mais que ver o que querem que enxerguemos, é necessário descobrir os bastidores.

    Cadeia produtiva no ecommerce

    Quando o gerenciamento de uma Cadeia Produtiva é realizado com sucesso, diversos pontos em caráter ambiental, social e econômico também são desenvolvidos e beneficiados. Ambientalmente, em uma cadeia responsável, os recursos e matérias primas utilizados para a produção tendem a diminuir, já que o processo é otimizado. Além disso, a tendência é que se passe a utilizar recursos menos agressivos ao meio ambiente e mais facilmente renováveis, sem deixar de lado conforto e usabilidade.

    Em âmbito social, é possível garantir que todas as pessoas envolvidas no processo de produção trabalhem sob condições dignas, respeitosas e recebam o valor ideal pelo seu trabalho. Também é possível adaptar sua produção a fim de impactar e auxiliar o desenvolvimento de comunidades ou grupos socialmente marginalizados, seja por discriminação, seja por questões geográficas.

    Trazendo para o viés econômico, uma cadeia produtiva eficaz e consciente consegue atingir economia financeira em diversas etapas do processo: quantidade de recursos utilizados, manutenção e estoque, logística e transporte. Pode ser que os custos durante o processo sejam um pouco mais elevados do que se feito de modo irresponsável, mas é necessário conceber uma ideia de produção ampla e com foco no longo prazo: priorizar resultados pró meio ambiente e economia financeira em detrimento a consequências instantâneas.

    Cadeia produtiva sustentável gera um mundo verde

    Diante de tudo isso, ainda que o gerenciamento de uma cadeia produtiva responsável possa gerar custos imediatos um pouco mais altos, os resultados a longo prazo – social, ambiental e até mesmo econômico -, valem extremamente a pena. No Brasil, por exemplo, um dos fatores que tem influenciado a desaceleração econômica  é a diminuição de recursos. Isso é um forte indicativo de que a exploração como tem acontecido até agora não é algo sustentável.

    Na Calça Thai, oferecemos produtos de qualidade superior, bonitos, sempre alinhados a uma cadeia produtiva limpa e justa. Realizamos parcerias com empresas que seguem o mesmo conceito e promovemos essa ideia para inspirar mais e mais pessoas a não apenas produzirem de maneira consciente, mas consumirem de maneira consciente.


    Descubra a moda consciente com o movimento Slow Fashion

    Movimento Slow

    Há alguns anos tem surgido um movimento que caminha em sentido oposto à aceleração da rotina, à descartabilidade dos produtos e à velocidade dos nossos relógios, cada vez mais rápidos. É o Slow Movement (movimento lento) ou Slow Life (vida lenta). Ele preza pela sustentabilidade, pelo bem estar e seus seguidores têm uma característica em comum: a vontade de levar a vida em um ritmo mais tranquilo e consciente.

    Uma das principais e mais conhecidas manifestações do Slow Movement se deu  no mundo da moda: o Slow Fashion. Ele é vai na contramão do conhecido fast fashion, conceito de grandes marcas varejistas, onde coleções são lançadas constantemente a preços baixos, com consumidores estimulados a comprar sempre, impulsivamente e, muitas vezes, mais do que precisam. Esse consumo exagerado tem seu preço: é refletido em condições de trabalho às vezes desumanas e na exploração excessiva de recursos naturais.

    O Slow Fashion surge em um cenário que busca o retorno ao equilíbrio, onde a indústria da moda não comprometa o meio ambiente nem o bem estar das pessoas e produza peças mais duráveis e atemporais. Carl Honore, autor do livro “In Praise of Slowness” (intitulado “Devagar” no Brasil), diz que a abordagem slow nos encoraja a fazer tudo no seu tempo para garantir a qualidade da produção, para dar mais valor a uma peça e para contemplar sua conexão com o meio ambiente.


    Slow Fashion BrasilHá uma preocupação constante com toda a cadeia produtiva - social, econômica e ambientalmente, não deixando de lado a produtividade e rentabilidade do negócio. Esse cuidado é refletido em cada composto relativo ao produto final: nos materiais utilizados pra confecção das peças, no design, nas condições de trabalho dos produtores, no método de entrega, na estratégia de posicionamento e branding e nos conteúdos que a marca produz nos seus canais.

    Na Suécia, alguns pesquisadores participantes de um programa de liderança estratégica por meio da sustentabilidade cunharam um guia para inserir valores do Slow Fashion em um negócio:

     

     

    • ter ideia do todo (todos conectados em um grande sistema ambiental e social);
    • reduzir o consumo (a produção em sintonia com o ritmo dos recursos naturais);
    • prezar pela diversidade (ecológica, social e cultural);
    • respeitar as pessoas (tratamento justo aos trabalhadores e consumidores);
    • reconhecer as necessidades humanas (oferecer moda com conexão emocional, contando uma história, convidando o consumidor para ser parte do processo);
    • criar conexões e relações (colaboração e co-criação);
    • resourcefulness (utilização consciente de recursos e suporte ao desenvolvimento de negócios e habilidades locais); 
    • garantir qualidade e preocupação estética (longevidade e estilo das peças);
    • garantir rentabilidade (sustentabilidade financeira e competitividade com o mercado);
    • praticar atitudes conscientes (agir responsavelmente, fazendo a diferença de maneira inovadora).


    Aqui no Calça Thai também acreditamos que esse é o caminho para se fazer moda de maneira sustentável, sempre prezando a produção de peças confortáveis, estilosas e de qualidade. E tudo isso é reflexo do que nossos clientes também buscam e acreditam.

    Na prática, incorporamos o slow fashion em diversos detalhes do nosso cotidiano. Prezamos por valores consistentes de comércio justo, onde todos os envolvidos na produção, no gerenciamento e nas vendas são tratados igualmente, com respeito e cuidado, desde os costureiros até os clientes.

    Comercio justo calça thai
    Com o objetivo de garantir que nossa cadeia funcione de maneira ética e justa, trabalhamos lado a lado dos produtores, supervisionando todo o processo de produção, embalagem e envio, feito por nós mesmos, sem a contratação de terceiros. Para que isso possa acontecer, pedimos que nossos clientes aguardem pacientemente a entrega dos nossos produtos, que leva entre 15 e 30 dias, apesar de sabermos que eles estão acostumados a entregas de um dia para o outro comprando de multinacionais. A espera e o processo lento e cuidadoso tornam a produção ética uma realidade.

    Além disso, inserimos o retorno dos clientes no nosso processo de inovação. Ao mesmo tempo que acreditamos no nosso trabalho, queremos o feedback dos clientes para que nossos produtos sejam cada vez mais próximos do que eles procuram. Calças de cores lisas e modelos masculinos são resultado desses feedbacks.

    Também garantimos que tradições e habilidade locais sejam mantidas, conectando a produção de comunidades rurais com mercados aos quais eles dificilmente teriam acessos, como o Brasil, sem perturbar seu estilo de vida. Utilizamos nosso conhecimento sobre os dois países e culturas para gerarmos novas oportunidades e pontes antes inexistentes.

    Por fim, além de apenas vendermos roupas, buscamos apoiar e destacar a cultura tailandesa por meio do nosso blog, nossas redes sociais e outros canais de conteúdo, sempre oferecendo uma troca de culturas relevante e enriquecedora.

    Nossos clientes satisfeitos e engajados são o resultado de uma indústria da moda mais justa e consciente. O slow fashion veio pra ficar e o Calça Thai abraça esse movimento todos os dias.


    Entenda os motivos pelos quais os preços de nossas calças variam

    Se você é cliente da Calça Thai, já deve ter percebido que alguns de nossos itens tiveram seus preços reajustados nos últimos tempos. Uma vez que prezamos pela transparência e pelo respeito aos nossos consumidores, decidimos falar um pouco mais sobre isso e explicar as razões deste aumento. 

    Como já falamos por aqui, nossos produtos são feitos por artesãos, na própria Tailândia. Apesar de comercializarmos nossas peças no Brasil, as nossas despesas gerais são contabilizadas não em reais (BRL), mas em dólares (USD). Com as recentes mudanças na economia e na cotação do dólar no país, tivemos uma queda no lucro obtido com a comercialização de nossas peças. Os nossos custos de produção, entretanto, permaneceram os mesmos: continuamos a pagar aos nossos artesãos um preço justo e mantivemos a qualidade de nossos tecidos, uma vez que não abrimos mão de nossa qualidade, tampouco de nossa ética.


    dolar realPara se ter uma melhor noção da diferença de preços, quando iniciamos as nossas atividades - em 10 de Março de 2015 -, o Real valia 3,06 dólares. Com as flutuações na cotação, o Real ultrapassou a casa dos quatro dólares (4,08, para sermos mais exatos). Isso significa que tivemos uma desvalorização de 33% em nossos produtos, o que nos obrigou a reajustar os preços de nosso
    catálogo para evitar perdas muito significantes em nossas margens de lucro.

    Tentamos, ainda assim, proteger os nossos consumidores e oferecer serviços eficientes e pouco onerosos. A Calça Conforto, por exemplo, teve um aumento de apenas 17% neste período.

    O fato de não cobrarmos o preço do frete de nossos consumidores finais também precisa ser levado em consideração quando pensamos em despesas gerais. Não fazemos cobranças extras, mas enviar as encomendas aos nossos ainda gera uma taxa, a qual fica inteiramente por nossa conta. É importante lembrar que nem todas as nossas calças têm o mesmo peso, de forma que há variação de preço entre os pacotes enviados - os artigos masculinos, por exemplo, são mais pesados do que os artigos femininos. 

    Calça Thai

    Embora nos esforcemos para trazer benefícios aos nossos clientes e promover vantagens, estamos suscetíveis às oscilações do mercado. Oferecemos alguns descontos - há uma aba em nosso site oficial, à direita, que dá direito a uma oferta especial -, mas somos uma companhia em crescimento. Nosso orçamento, por conta disso, ainda é um pouco limitado. Quando idealizamos a Calça Thai, decidimos que seria mais interessante permitir aos nossos clientes preços sempre justos em vez de descontos esporádicos. O nosso preço final, levando em consideração todos estes fatores, ainda é o menor preço que podemos oferecer.

     

     

     

     


     

     

    Tecido Calça Thai

    Vale também lembrar que, ao adquirir um de nossos produtos, você adquire um item feito artesanalmente, do outro lado do mundo. Além de ser um artigo importado, ele é fruto de relações de respeito mútuo e de trabalho digno. Nós acreditamos que é possível fazer comércio de forma justa e inteligente, prezando tanto pela qualidade de nossas calças quanto pelo bem estar de nossos fornecedores.